Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Bolívia

- Publicada em 16h23min, 07/07/2020. Alterada em 17h45min, 07/07/2020.

Ministério Público da Bolívia pede prisão de Evo Morales por terrorismo

Na Argentina, lei de refugiado político protege o ex-presidente de extradição por razões políticas, mas há uma brecha no caso de a acusação ser por terrorismo

Na Argentina, lei de refugiado político protege o ex-presidente de extradição por razões políticas, mas há uma brecha no caso de a acusação ser por terrorismo


RONALDO SCHEMIDT/AFP/JC
O Ministério Público da Bolívia pediu, na segunda-feira (6), a detenção e a extradição do ex-presidente Evo Morales, por acusação de terrorismo. Evo, que renunciou há oito meses, vive com o status de refugiado em Buenos Aires, na Argentina.
O Ministério Público da Bolívia pediu, na segunda-feira (6), a detenção e a extradição do ex-presidente Evo Morales, por acusação de terrorismo. Evo, que renunciou há oito meses, vive com o status de refugiado em Buenos Aires, na Argentina.
A prisão foi emitida por uma comissão de promotores anti-corrupção, por conta do chamado "caso áudio", que investiga uma gravação telefônica em que o ex-presidente convoca apoiadores na Bolívia a bloquear ruas e estradas durante as tensões que ocorreram depois de sua saída do país por pressão do Exército. Esses áudios revelam conversas de Evo com o ativista e dirigente cocaleiro Faustino Yucra.
"De acordo com as investigações, é evidente que o chefe de estado e Yucra mantiveram comunicação mediante chamadas telefônicas no dia 14 de novembro de 2019, desde a Cidade do México (onde Evo esteve, antes de ir para a Argentina) até El Torno, na Bolívia, onde estava Yucra", diz o comunicado do Ministério Público.
"Nessa conversa, Morales instruiu o dirigente cocaleiro a cometer atos ilícitos durante os episódios violentos registrados no país a partir do dia 10 de novembro." Na gravação, a voz identificada como sendo a de Evo diz: "Irmão, que não entre comida nas cidades, vamos bloquear, armar um cerco de verdade".
Em entrevista recente à Folha de S.Paulo, o candidato à presidência Carlos Mesa confirmou que há evidências de que Evo esteve por trás dos levantes populares contra a posse da interina Jeanine Añez, inclusive causando bloqueios em sistemas de abastecimento de comida e de coleta de lixo.
Como refugiado político na Argentina, o ex-presidente também enfrenta outras acusações na Bolívia, e já há uma ordem da Interpol para detê-lo.
Evo comentou a decisão nas redes sociais: "De maneira ilegal e inconstitucional, a Procuradoria, em La Paz, pretende acusar-me de terrorismo com um áudio alterado e sem ser notificado, uma prova mais de que há uma perseguição política desde o governo ditatorial. Logo voltará a democracia e o Estado de Direito na Bolívia".
Na Argentina, a lei de refugiado político protege o ex-mandatário no caso da extradição por razões políticas. Porém, há uma brecha no caso de a acusação ser por "terrorismo".
Até as 20h desta segunda-feira, o governo do presidente argentino, Alberto Fernández, ainda não havia se manifestado sobre a decisão do Ministério Público boliviano.
Comentários CORRIGIR TEXTO