Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Argentina

- Publicada em 16h24min, 06/07/2020. Alterada em 16h39min, 06/07/2020.

Ex-secretário particular de Cristina Kirchner é encontrado morto na Argentina

Advogado Fabián Gutiérrez sofreu tortura, levou pancadas na cabeça, três facadas e morreu por asfixia

Advogado Fabián Gutiérrez sofreu tortura, levou pancadas na cabeça, três facadas e morreu por asfixia


Telam/AFP/JC
Um ex-secretário particular da vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi encontrado morto no sábado (4), após mais de uma semana desaparecido. De acordo com as autoridades, o advogado Fabián Gutiérrez sofreu tortura, levou pancadas na cabeça, três facadas e morreu por asfixia.
Um ex-secretário particular da vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi encontrado morto no sábado (4), após mais de uma semana desaparecido. De acordo com as autoridades, o advogado Fabián Gutiérrez sofreu tortura, levou pancadas na cabeça, três facadas e morreu por asfixia.
O corpo do advogado, que tinha 46 anos, foi encontrado em uma casa na cidade de El Calafate, na província argentina de Santa Cruz, onde Cristina e seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, possuem propriedades e uma rede de hotéis.
De acordo com Gabriel Giordano, advogado da família de Gutiérrez, o ex-secretário dos Kirchner estava sendo vítima de extorsão - Giordano não revelou quem estaria ameaçando Gutiérrez. A polícia de Santa Cruz investiga as causas do crime e trabalha com hipóteses de crime político ou passional.
Giordano disse que apresentou à polícia "evidências concretas da extorsão" e que a família pedia que o crime não fosse explorado de modo sensacionalista. O assassinato, porém, teve grande repercussão na imprensa local, uma vez que a vítima tinha conexão particular com Cristina. A escolha da promotora que investiga o caso, Natalia Mercado, também gerou polêmica, uma vez que ela é sobrinha da vice-presidente.
Por meio de um comunicado, a Casa Rosada, sede da presidência argentina, disse que a morte de Gutiérrez é "um assunto policial".
No domingo (5), quatro suspeitos de terem matado Gutiérrez foram detidos pela polícia: os irmãos Facundo e Santiago Zaeta, Facundo Gómez Chávez e Pedro Monzón.
A investigação da Justiça argentina se baseia em anotações feitas em cadernos escolares pelo motorista Oscar Centeno, ex-funcionário do Ministério de Planejamento, durante os mandatos de Néstor e Cristina Kirchner, de 2003 a 2015.
Os registros revelam, segundo os investigadores, onde, quando e para quem foram entregues pacotes de dinheiro como suborno para concessão de obras públicas orçadas em mais de US$ 160 milhões (R$ 850 milhões).
De acordo com as anotações nos "cadernos da corrupção", o esquema criminoso envolvia o casal Kirchner, ministros e dezenas de empresários. Durante a investigação, Gutiérrez foi acusado de enriquecimento ilícito. Ele aceitou colaborar com a Justiça em um regime de "delação premiada" e depôs contra o casal de ex-presidentes.
Comentários CORRIGIR TEXTO