Porto Alegre, segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Oriente Médio

29/06/2020 - 12h19min. Alterada em 29/06 às 17h13min

Irã emite mandado de prisão contra Trump por morte de general Qassim Suleimani

Procurador acrescentou que Donald Trump está no topo da lista do caso

Procurador acrescentou que Donald Trump está no topo da lista do caso


MANDEL NGAN/AFP/JC
A Justiça do Irã emitiu mandados de prisão para o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e outros 35 acusados de envolvimento no assassinato do general Qassim Suleimani, morto no dia 2 de janeiro, em uma ação das forças armadas americanas no Iraque. A informação foi divulgada pela agência de notícias iraniana Fars.
A Justiça do Irã emitiu mandados de prisão para o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e outros 35 acusados de envolvimento no assassinato do general Qassim Suleimani, morto no dia 2 de janeiro, em uma ação das forças armadas americanas no Iraque. A informação foi divulgada pela agência de notícias iraniana Fars.
"Trinta e seis indivíduos que estão envolvidos ou ordenaram o assassinato de Hajj Qassem, incluindo políticos e militares dos Estados Unidos e de outros governos, foram identificados e mandados de prisão foram expedidos contra eles pelo Judiciário. Também emitimos alerta vermelho pela Interpol", afirmou Ali Alqasi Mehr, procurador-geral de Teerã.
As acusações, de acordo com o procurador, são de homicídio e terrorismo. Quanto ao caso de Trump, o procurador acrescentou que ele está no topo da lista do caso, mas que ele será processado assim que deixar o cargo de presidente dos EUA.
O general iraniano Qassim Suleimani, responsável pelos assuntos iraquianos na Guarda Revolucionária do Irã, foi morto em um bombardeio americano no aeroporto de Bagdá. Um dos militares mais poderosos do grupo, ele era considerado terrorista pelos Estados Unidos e Israel. A morte do general deu início a uma série de protestos antiamericanos no país do Oriente Médio.
Comentários