Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Ásia

Notícia da edição impressa de 25/06/2020. Alterada em 24/06 às 20h42min

Coreia do Norte suspende planos de ação militar contra o Sul

Tensões na zona desmilitarizada aumentaram após rompimento dos canais oficiais de comunicação

Tensões na zona desmilitarizada aumentaram após rompimento dos canais oficiais de comunicação


ED JONES/AFP/JC
O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, suspendeu os planos de ação militar contra a Coreia do Sul, anunciou a imprensa estatal norte-coreana nesta quarta-feira, após vários dias de tensão na península. Kim presidiu na terça-feira uma reunião por videoconferência da Comissão Militar Central (CMC) que "suspendeu os planos de ação militar contra o Sul". O comitê também discutiu documentos com medidas para "reforçar a interrupção da guerra no país". Não ficou claro o motivo do recuo da Coreia do Norte, que havia intensificado os ataques verbais contra Seul.
O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, suspendeu os planos de ação militar contra a Coreia do Sul, anunciou a imprensa estatal norte-coreana nesta quarta-feira, após vários dias de tensão na península. Kim presidiu na terça-feira uma reunião por videoconferência da Comissão Militar Central (CMC) que "suspendeu os planos de ação militar contra o Sul". O comitê também discutiu documentos com medidas para "reforçar a interrupção da guerra no país". Não ficou claro o motivo do recuo da Coreia do Norte, que havia intensificado os ataques verbais contra Seul.
Depois de romper os canais oficiais de comunicação, Pyongyang destruiu na semana passada o escritório de relações entre os países que havia sido inaugurado em setembro de 2018, ao norte da Zona Desmilitarizada (DMZ), e simbolizava a aproximação das duas Coreias, e os militares advertiram que adotariam medidas contra o Sul. Entre as medidas, estavam a recuperação de zonas no Norte que integravam projetos intercoreanos, a restauração dos postos de guarda na Zona Desmilitarizada.
Nesta quarta-feira, o Norte começou a retirar os alto-falantes das zonas fronteiriças que havia instalado dois dias antes para divulgar propaganda contra o Sul, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap. Além disso, centros de propaganda de Pyongyang retiraram artigos críticos a respeito da Coreia do Sul, segundo o ministério da Unificação.
Comentários