Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 16h43min, 26/05/2020. Alterada em 16h43min, 26/05/2020.

Popularidade de Trump atinge pior nível desde 17 de novembro

Trump afirmou, nesta terça-feira , que o coronavírus deveria ter sido parado na sua fonte, na China

Trump afirmou, nesta terça-feira , que o coronavírus deveria ter sido parado na sua fonte, na China


BRENDAN SMIALOWSKI/AFP/JC
A popularidade do presidente dos EUA, Donald Trump, chegou ao nível mais baixo desde 17 de novembro de 2019 - antes da chegada da pandemia de coronavírus ao país. De acordo com o site Real Clear Politics, que calcula a média diárias de pesquisas de opinião, o índice de aprovação do presidente, na segunda-feira (25), estava em 43,9%. A rejeição ao governo ficou em 53,9%.
A popularidade do presidente dos EUA, Donald Trump, chegou ao nível mais baixo desde 17 de novembro de 2019 - antes da chegada da pandemia de coronavírus ao país. De acordo com o site Real Clear Politics, que calcula a média diárias de pesquisas de opinião, o índice de aprovação do presidente, na segunda-feira (25), estava em 43,9%. A rejeição ao governo ficou em 53,9%.
O pior momento vivido pelo presidente, segundo o site, foi no dia 13 de dezembro de 2017, quando ele registrou 58% de rejeição e apenas 37% de aprovação. Com aparições diárias na Casa Branca para falar sobre o combate ao vírus, Trump alcançou seus melhorares números. Em 27 de março, tinha 47,3% de aprovação, bem perto dos 49,3% de rejeição. Foi seu melhor momento desde a posse, em janeiro de 2017.
No entanto, a imagem do presidente acabou se desgastando com as aparições diárias. Algumas, foram desastrosas. Em 24 de abril, por exemplo, Trump sugeriu injetar alvejantes no corpo para combater o vírus.
A queda de popularidade se reflete também nas pesquisas nacionais entre ele e o democrata Joe Biden, adversários na eleição presidencial de novembro. Na segunda-feira, a Fox News, emissora preferida do conservadorismo norte-americano, divulgou uma pesquisa que mostrava Biden com vantagem de oitos pontos porcentuais: 48% a 40%.
Nesta terça-feira (26), Trump, voltou a responsabilizar a China por não ter contido o coronavírus no início do surto. O comentário foi feito em publicação no Twitter com ataque a adversários políticos, entre eles a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi.
O republicano caracterizou sua resposta à pandemia como "rápida" e disse que tomou as "decisões certas". "Se eu não tivesse feito meu trabalho bem, e cedo, teríamos perdido de 1,5 milhão a 2 milhões de pessoas, em oposição aos mais de 100 mil que parece ser o número (final)", destacou.
Trump acrescentou ainda que fechou as fronteiras para viajantes chineses "muito cedo". "Uma pessoa perdida por esse vírus invisível é demais, (o vírus) deveria ter sido interrompido em sua origem, China", afirmou.
Comentários CORRIGIR TEXTO