Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Israel

- Publicada em 17h40min, 24/05/2020. Alterada em 17h41min, 24/05/2020.

Em julgamento por possível corrupção, Netanyahu acusa sistema de justiça de conspiração

Na frente da casa do premiê, manifestantes o chamavam de "ministro do crime"

Na frente da casa do premiê, manifestantes o chamavam de "ministro do crime"


EMMANUEL DUNAND/AFP/JC
O julgamento do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, por possíveis práticas de corrupção, começou neste domingo (24), em um tribunal de Jerusalém. As acusações dos promotores públicos contra o premiê são de aceitação de suborno, fraude e quebra de confiança. Se as acusações forem confirmadas, Netanyahu pode pegar até dez anos de prisão se for condenado por suborno - a acusação mais grave. É a primeira vez que um primeiro-ministro em exercício é julgado.
O julgamento do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, por possíveis práticas de corrupção, começou neste domingo (24), em um tribunal de Jerusalém. As acusações dos promotores públicos contra o premiê são de aceitação de suborno, fraude e quebra de confiança. Se as acusações forem confirmadas, Netanyahu pode pegar até dez anos de prisão se for condenado por suborno - a acusação mais grave. É a primeira vez que um primeiro-ministro em exercício é julgado.
Em seu discurso, na abertura do julgamento, Netanyahu acusou o sistema de justiça nacional de conspiração por meio de policiais, imprensa e promotores a fim de sua deposição. "O objetivo é depor um primeiro-ministro forte de direita e, assim, remover o campo nacionalista da liderança do país por muitos anos", disse.
Netanyahu afirmou, ainda, que é vítima de uma conspiração através de um caso adaptado por promotores e policias e disse que as provas do processo foram "contaminadas" e "exageradas". Ele foi obrigado a comparecer no julgamento, depois que o pedido para que fosse representado por sua defesa foi negado.
O premiê é acusado de aceitar presentes luxuosos e de oferecer favores a poderosos magnatas da mídia em troca de uma cobertura favorável sobre ele e sua família. O líder israelense nega as acusações. Ele pediu à Justiça que o julgamento seja transmitido ao vivo pela rede de televisão para garantir "total transparência".
"Enquanto a mídia continua lidando com bobagens, com esses falsos e superados casos, continuarei liderando o estado de Israel e lidando com questões que realmente importam, como ressuscitar a economia e continuar salvando as vidas de milhares de israelenses antes da possibilidade de uma segunda onda do novo coronavírus", afirmou. O julgamento deve durar anos, com as etapas processuais iniciais devendo se estender por meses
Antes da audiência deste domingo, foram registrados protestos em frente ao tribunal e à residência oficial do premiê. Apoiadores de Netanyahu gritavam "Bibi é o rei de Israel" e levantavam cartazes denunciando o procurador-geral que apresentou as acusações contra ele, enquanto outras centenas de manifestantes o chamavam de "ministro do crime".
Comentários CORRIGIR TEXTO