Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

América do Sul

- Publicada em 16h18min, 22/05/2020. Alterada em 16h21min, 22/05/2020.

América do Sul é o novo epicentro mundial da pandemia

Situação do Brasil preocupa OMS; Amazonas tem o maior índice de mortalidade do País, com 39,1 por 100 mil habitantes

Situação do Brasil preocupa OMS; Amazonas tem o maior índice de mortalidade do País, com 39,1 por 100 mil habitantes


MICHAEL DANTAS/AFP/JC
Na coletiva diária à imprensa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, diretor do programa de emergências, afirmou, nesta sexta-feira (22), que a América do Sul se tornou o novo epicentro mundial da pandemia do novo coronavírus. O continente já soma 554.321 casos de Covid-19 e 28.168 mortes causadas pela doença, segundo dados atualizados diariamente pela plataforma Worldometer.
Na coletiva diária à imprensa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, diretor do programa de emergências, afirmou, nesta sexta-feira (22), que a América do Sul se tornou o novo epicentro mundial da pandemia do novo coronavírus. O continente já soma 554.321 casos de Covid-19 e 28.168 mortes causadas pela doença, segundo dados atualizados diariamente pela plataforma Worldometer.
Mais da metade dos infectados foram reportados pelo Brasil. Na tarde desta sexta-feira, o Ministério da Saúde contabilizava 310.087 casos. O País tem a maior parte das mortes na região, com 20.047 óbitos. O estado brasileiro mais afetado é o Amazonas, com incidência de 612 contaminados para cada 100 mil habitantes, e mortalidade de 39,1 por 100 mil habitantes. Em números absolutos, são 25.367 ocorrências e 1.620 mortes. O epicentro da doença no estado é a capital Manaus.
São Paulo é o estado com o maior número de mortes e de contaminados, 5.558 e 73.739, respectivamente. No entanto, em relação está em 160,6 contaminados para cada 100 mil habitantes, registrando uma mortalidade de 12,1.
Logo atrás no número de contaminações estão Peru (108.769 infectados e 3.148 mortos) e Chile (61.857 casos e 630 óbitos). A Argentina, país com a terceira maior população absoluta da América do Sul, está em sexto no ranking de casos e óbitos pela Covid-19, com 9.931 infecções registradas e 419 mortes pela doença.
De acordo com informações compiladas pela Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos superaram a marca de 95 mil mortos pelo vírus, consolidando-se como a região mais afetada pela pandemia no mundo. Os EUA registram cerca de 1,58 milhão de contaminações, ainda segundo a universidade norte-americana.
Na Europa, o Reino Unido anunciou, nesta sexta-feira, que irá impor uma quarentena compulsória de 14 dias a pessoas que chegarem de países estrangeiros em todas as regiões britânicas. A determinação, informada pela secretária para Assuntos Internos, Priti Patel, passa a valer a partir do dia 8 de junho. O governo britânico também divulgou os números de novos casos e óbitos da Covid-19. Entre quinta (21) e esta sexta-feira, foram registrados mais 3.287 infectados e 351 mortos no Reino Unido, que agora soma 255.533 casos e 36.475 óbitos causados pela doença.
O governo da Espanha acatou o pedido das cidades de Madri e Barcelona para as regiões passarem à fase 1 de retomada das atividades, segundo plano de flexibilização das medidas restritivas contra a pandemia de covid-19 no país. Os municípios constituem as duas maiores regiões metropolitanas da Espanha. Além da capital e de Barcelona, também passaram para a primeira fase as comunidades de Castela e Leão. Ao todo, o país registra 234.824 contaminados e 28.628 mortos pela Covid-19, com 446 novos casos e 59 óbitos entre quinta e esta sexta-feira.
Comentários CORRIGIR TEXTO