Porto Alegre, segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Chile

- Publicada em 17h58min, 14/05/2020. Alterada em 17h58min, 14/05/2020.

Lockdown no Chile começa nesta sexta-feira

Chile havia preparado um "retorno seguro" às atividades, mas a explosão de casos fez o governo mudar de ideia

Chile havia preparado um "retorno seguro" às atividades, mas a explosão de casos fez o governo mudar de ideia


MARTIN BERNETT/AFP/JC
O Chile decretou bloqueio total para a região metropolitana de Santiago, capital do país. A medida entra em vigor às 22h desta sexta-feira (15) e afetará 7,5 milhões de habitantes, que só poderão sair para comprar alimentos e remédios ou ir ao hospital. Para sair às ruas, os cidadãos terão que apresentar licenças temporárias individuais. Para trabalhar, será necessário um salvo-conduto. Todos os idosos do país com mais de 75 anos devem ficar em isolamento obrigatório.
O Chile decretou bloqueio total para a região metropolitana de Santiago, capital do país. A medida entra em vigor às 22h desta sexta-feira (15) e afetará 7,5 milhões de habitantes, que só poderão sair para comprar alimentos e remédios ou ir ao hospital. Para sair às ruas, os cidadãos terão que apresentar licenças temporárias individuais. Para trabalhar, será necessário um salvo-conduto. Todos os idosos do país com mais de 75 anos devem ficar em isolamento obrigatório.
O Chile, que há um mês registrava uma média de 400 novos casos diários, registrou nesta semana 2.660 casos em apenas 24 horas, de acordo com dados do Ministério da Saúde chileno.
O país havia preparado um "retorno seguro" às atividades, mas a explosão de casos do novo coronavírus fez com que tivesse que mudar de rumo. Anunciado no dia 24 de abril, o Plano Retorno Seguro consistia em uma retomada gradual e por etapas das atividades e das escolas e universidades. À época, o país registrava pouco mais de 12 mil casos e 174 mortes. Nesta quinta-feira (14), os casos confirmados ultrapassavam os 37 mil, com 368 mortes.
Agora, com o dobro de mortes, o governo optou pelo lockdown. Para fazer cumprir a medida, 14 mil efetivos das forças armadas e da polícia estarão nas ruas para garantir o toque de recolher, vigente das 22h às 5h, e das medidas sanitárias de isolamento.
Comentários CORRIGIR TEXTO