Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 03h20min, 20/03/2020. Atualizada em 03h00min, 20/03/2020.

Europa cria estoque central de equipamento para atender à crise

Com a Itália apelando à China para receber máscaras de proteção e montando às pressas hospitais de campanha, a União Europeia (UE) anunciou, nesta quinta-feira, um estoque central de equipamento médico e hospitalar para atender as vítimas do coronavírus.
Com a Itália apelando à China para receber máscaras de proteção e montando às pressas hospitais de campanha, a União Europeia (UE) anunciou, nesta quinta-feira, um estoque central de equipamento médico e hospitalar para atender as vítimas do coronavírus.
A ideia é que um dos 27 países (ainda não definido) do grupo coordene a compra de equipamentos de proteção (máscaras, luvas, desinfetantes), equipamentos de ventilação, vacinas, remédios e material para laboratório, que possam abastecer rapidamente países em crise.
A Itália é o país em situação mais crítica. Com hospitais superlotados e falta de equipamentos, registra quase três quartos das mortes decorrentes de coronavírus na Europa: 2.978, de um total de 4.196. Outros países com um número alto de doentes em estado grave são França e Espanha, com 931 e 800 casos, respectivamente.
O estoque de material e equipamentos poderá ser solicitado pelos países da UE e por Islândia, Noruega, Sérvia, Macedônia, Montenegro e Turquia, que participam do mecanismo de proteção civil europeu.
A União Europeia vai financiar 90% das compras necessárias e coordenar a distribuição. O bloco destinou € 50 milhões (cerca de R$ 280 milhões) para o estoque.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO