Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de fevereiro de 2020.
Dia do Agente de Defesa Ambiental.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Edição impressa de 06/02/2020. Alterada em 05/02 às 20h50min

Senado absolve Donald Trump em processo de impeachment

Presidente se livra das acusações de abuso de poder, por pressionar Ucrânia a investigar Joe Biden

Presidente se livra das acusações de abuso de poder, por pressionar Ucrânia a investigar Joe Biden


JIM WATSON/AFP/JC
A escrita se manteve: nenhum presidente na história dos Estados Unidos jamais foi retirado do cargo. Após Andrew Johnson, em 1868, e Bill Clinton, em 1999, Donald Trump se tornou nesta quarta-feira (5) o terceiro absolvido pelo Senado em um processo de impeachment.
A escrita se manteve: nenhum presidente na história dos Estados Unidos jamais foi retirado do cargo. Após Andrew Johnson, em 1868, e Bill Clinton, em 1999, Donald Trump se tornou nesta quarta-feira (5) o terceiro absolvido pelo Senado em um processo de impeachment.
Assim, ele se livra das acusações de abuso de poder, por pressionar o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, a investigar o rival democrata Joe Biden e seu filho Hunter, e de obstruir a apuração do caso pelo Congresso após o episódio vir à tona.
A absolvição veio com apoio quase total do Partido Republicano. Mitt Romney, um costumeiro crítico do presidente e que já havia votado a favor da convocação de novas testemunhas, foi o voto republicano solitário pela condenação. A decisão, no entanto, não alterou o previsível resultado.
Com 53 assentos no Senado, a maioria republicana já desenhava, desde o começo da crise, um panorama de difícil aprovação do impeachment, um processo classificado por Trump como puramente partidário, uma "caça às bruxas" para derrubá-lo.
Esse cenário fez com que a oposição resistisse por semanas a detonar o julgamento, iniciado em 24 de setembro, na Câmara dos Deputados, de maioria democrata. Nos meses seguintes, congressistas ouviram testemunhas, analisaram documentos e elaboraram um relatório de 300 páginas que defendia a cassação do mandato.
O imbróglio gerador do impeachment parte do telefonema de Trump, em julho, ao então recém-eleito presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, a quem ele pediu para investigar Biden, pré-candidato democrata à presidência e possível rival na eleição de novembro, e seu filho Hunter, ex-membro do conselho de uma empresa suspeita de corrupção na Ucrânia.

Outros presidentes dos EUA que sofreram processos de impeachment

  • Andrew Johnson (1865-1869) - Sucessor de Abraham Lincoln, divergiu do Congresso sobre como lidar com os ex-escravos após a Guerra de Secessão. A Câmara votou a favor, mas o Senado vetou a cassação de seu mandato.
  • Richard Nixon (1969-1974) - Em processo detonado pelo caso Watergate, foi acusado de abuso de poder e obstrução de Justiça. Renunciou para evitar ser cassado, tornando-se o primeiro presidente dos EUA a se demitir.
  • Bill Clinton (1993-2001) - Com acusação de perjúrio e obstrução de Justiça, o inquérito começou com o caso da estagiária com quem o presidente teria mantido relações sexuais. A Câmara votou por abrir o processo, mas o Senado barrou.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia