Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Alterada em 31/01 às 17h16min

Coronavírus já chegou a 21 países

Rússia informou que os dois infectados no país são de nacionalidade chinesa

Rússia informou que os dois infectados no país são de nacionalidade chinesa


DIMITAR DILKOFF/AFP/JC
Nesta sexta-feira (31), três países anunciaram a chegada do novo coronavírus em seus territórios nacionais. Ao longo da manhã, os governos do Reino Unido, da Rússia e da Suécia confirmaram casos isolados. No caso britânico, duas pessoas da mesma família foram hospitalizadas, mas não se sabe se ambas estiveram na China. O governo russo informou que os dois pacientes são de nacionalidade chinesa e vivem em regiões diferentes do país.
Nesta sexta-feira (31), três países anunciaram a chegada do novo coronavírus em seus territórios nacionais. Ao longo da manhã, os governos do Reino Unido, da Rússia e da Suécia confirmaram casos isolados. No caso britânico, duas pessoas da mesma família foram hospitalizadas, mas não se sabe se ambas estiveram na China. O governo russo informou que os dois pacientes são de nacionalidade chinesa e vivem em regiões diferentes do país.
A Agência de Saúde Pública sueca, por sua vez, confirmou que a paciente é cidadã do país e esteve na região de Wuhan no último mês. Com a atualização desta sexta-feira, o coronavírus já atingiu 21 países fora da China. No país asiático, já são 213 mortos e 9.809 casos confirmados.
Ao todo, 1.527 estão em estado crítico. A China ainda investiga 15.238 casos suspeitos. As investigações foram divulgadas pelo embaixador chinês para as Nações Unidas em Viena, Wang Qun.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia