Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

30/01/2020 - 16h58min. Alterada em 30/01 às 17h19min

OMS declara emergência internacional devido à disseminação do coronavírus

Ação visa evitar a expansão da doença para países que não têm condições de lidar com a contaminação

Ação visa evitar a expansão da doença para países que não têm condições de lidar com a contaminação


MLADEN ANTONOV/AFP/JC
A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou, na tarde desta quinta-feira (30), emergência de saúde internacional por conta da disseminação do coronavírus chinês.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou, na tarde desta quinta-feira (30), emergência de saúde internacional por conta da disseminação do coronavírus chinês.
Segundo Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS, a ação visa evitar a expansão da doença, considerando que não se sabe como países com menos condições para lidar com o vírus.
A declaração serve como um aviso para todos os Estados membros das Nações Unidas de que o órgão máximo de saúde no mundo considera a situação séria. "Nós precisamos agir agora para ajudar outros países a se preparar para a possibilidade (da entrada do vírus)", disse Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS.
"A razão para a declaração não é pelo que está acontecendo na China, mas pelo que acontece nos outros países." Segundo Adhanom, a ação visa evitar a expansão da doença, considerando que não se sabe como países com menos condições financeiras vão lidar com casos do vírus.
Os países podem decidir se fecham as fronteiras, cancelam voos, fazem screening de pessoas que chegam aos aeroportos ou se tomam outras medidas. A decisão foi tomada depois do aparecimento de casos de infecções em pessoas que não viajaram para a China, como nos EUA, na Alemanha e no Japão.
Segundo o diretor da OMS, não há necessidade de medidas adicionais que restrinjam movimentação e comércio internacional.
O coronavírus chinês surgiu pela primeira vez no fim do ano passado em Wuhan, na China. A OMS (Organização Mundial da Saúde) foi notificada no dia 31 de dezembro 2019 sobre um surto de pneumonia de causa então desconhecida. 
Até esta quinta-feira (30), mais de 8,2 mil pessoas já foram infectadas em pelo menos 15 países e 171 morreram, todas na China.  Não há registros de pessoas infectadas no Brasil, embora o Ministério da Saúde esteja investigando nove casos suspeitos, segundo informações divulgadas na quarta (29).
O Ministério da Saúde informou nesta quinta-feira (30), que continua a monitorar nove casos de pacientes com suspeita de coronavírus no Brasil. Apesar de o número ser o mesmo do que já havia sido informado nessa quarta-feira (29), casos relatados no dia anterior foram descartados, mas outros, incluídos. No Rio Grande do Sul, por exemplo, entraram dois casos. 
Agência Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia