Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Edição impressa de 30/01/2020. Alterada em 30/01 às 23h01min

China planeja tratar pacientes com coronavírus com remédios para Aids

O número de mortos pelo novo coronavírus na China chegou a 132 pessoas nesta quarta-feira (29). No dia anterior eram 106. Pacientes com infecções confirmadas já são 6.165, com mais de mil pessoas em estado grave. A situação parece estar piorando cada vez mais no epicentro do surto, a cidade de Wuhan, que foi isolada. Os hospitais da região estão lotados, com milhares de pacientes.
O número de mortos pelo novo coronavírus na China chegou a 132 pessoas nesta quarta-feira (29). No dia anterior eram 106. Pacientes com infecções confirmadas já são 6.165, com mais de mil pessoas em estado grave. A situação parece estar piorando cada vez mais no epicentro do surto, a cidade de Wuhan, que foi isolada. Os hospitais da região estão lotados, com milhares de pacientes.
Autoridades sanitárias em Pequim planejam tratar pacientes com dois remédios utilizados no combate à Aids. Médicos do país afirmaram a uma publicação britânica que esses medicamentos tiveram sucesso no combate a outro coronavírus, a Sars, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave.
Especialistas da área de saúde alertam que crianças também estão suscetíveis à contaminação pelo vírus. A declaração surge após rumores que se espalharam na internet de que pessoas mais jovens poderiam não ser vulneráveis. Casos já foram confirmados entre crianças e em um bebê de nove meses.
Diante do cenário, o presidente chinês, Xi Jinping, confirmou que seu país vai trabalhar ao lado da Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a disseminação da nova variante. Na terça-feira, Xi Jinping se reuniu com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em Pequim. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o presidente disse que seu país está lutando contra a propagação do novo coronavírus e que está confiante sobre a capacidade de superar a infecção. Ele também garantiu transparência com relação às informações divulgadas nacional e internacionalmente.
Hoje, a OMS realiza uma nova reunião para decidir se declara o surto de coronavírus uma emergência global de saúde pública. "Essa emergência se deve à evidência de aumento dos casos", afirmou o diretor-executivo da entidade, Michael Ryan, em Genebra, na Suíça.
Para a entidade, é importante que países que ainda não relataram casos estejam preparados para identificá-los. Além disso, informou que foram identificados casos de contágio em hospitais na China e que é essencial administrar a situação em Wuhan, epicentro da doença. Ainda segundo a OMS, é muito cedo para estabelecer a taxa de mortalidade do coronavírus.

Finlândia é o 17º país a confirmar caso de infecção pela doença

O governo da Finlândia confirmou nesta quarta-feira (29) o primeiro caso de contaminação por coronavírus. A paciente é uma mulher de 32 anos que chegou ao país nórdico vindo da cidade chinesa de Wuhan. Quinze pessoas com quem a mulher teve contato estão sendo monitoradas pelas autoridades de saúde finlandesas.
A Finlândia é o 17º país a registrar caso de coronavírus. Infecções já foram confirmadas na Tailândia, Japão, Malásia, Cingapura, Austrália, Estados Unidos, França, Alemanha, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Camboja, Nepal, Vietnã, Canadá e Sri Lanka, além da China.

CRONOLOGIA DO CORONAVÍRUS

31 de dezembro de 2019
  • Autoridades chineses emitiram o primeiro alerta à Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre uma série de casos de pneumonia de origem desconhecida na cidade de Wuhan
1º de janeiro de 2020
  • A agência norte-americana para a Vigilância e Prevenção de Doenças (CDC) afirma que um grande mercado de peixes e mariscos em Wuhan, aparentemente ligado às primeiras infecções, foi fechado
9 de janeiro de 2020
  • As primeiras análises sequenciais do vírus realizadas por equipes chinesas apontam que a pneumonia foi causada por um novo coronavírus
11 de janeiro de 2020
  • Autoridades chinesas de saúde anunciam a primeira morte de um paciente com o vírus
17 de janeiro de 2020
  • Os EUA passam a fazer exames de detecção em três aeroportos. No dia 21, confirmam o primeiro caso da doença, em Washington
13 de janeiro de 2020
  • OMS notifica o primeiro caso de uma pessoa infectada fora da China, na Tailândia. Trata-se de uma mulher com pneumonia leve que voltava de uma viagem a Wuhan
20 de janeiro de 2020
  • Cientistas confirmam transmissão do vírus entre humanos
  • China confirma registros da doença em Pequim (Norte), Xangai (Leste) e Shenzhen (Sul)
22 de janeiro de 2020
  • Londres e Roma anunciam medidas para monitorar passageiros provenientes de Wuhan
  • O uso de máscara passa a ser obrigatório nos espaços públicos em Wuhan
23 de janeiro de 2020
  • Trens e aviões partindo de Wuhan foram suspensos, e as rodovias, bloqueadas. Várias outras cidades da província de Hubei são isoladas do mundo
  • China anuncia o fechamento de pontos turísticos, como a Cidade Proibida
  • OMS nega emergência global
24 de janeiro de 2020
  • Wuhan é isolada
  • Mais de 40 milhões de pessoas foram confinadas na província de Hubei, povoada por quase 60 milhões de habitantes
  • Primeiras mortes fora de Wuhan: em Hebei e Heilongjiang, na fronteira com a Rússia
  • Três casos são confirmados na França, os primeiros na Europa
25 de janeiro de 2020
  • China ordena medidas nacionais de detecção do coronavírus em trens, ônibus e aviões
27 de janeiro de 2020
  • A OMS corrige a avaliação de risco de "moderado" para "alto"
  • Primeira morte em Pequim
28 de janeiro de 2020
  • Alemanha e Japão relatam os primeiros casos de infecção em pessoas que não viajaram para a China
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia