Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

27/01/2020 - 14h09min. Alterada em 27/01 às 14h09min

No fim das contas, acho que palestinos irão querer paz com Israel, diz Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mostrou otimismo sobre a possibilidade de que os palestinos aceitem um plano de paz com Israel. Durante breves declarações à imprensa ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Trump disse que os palestinos no início podem rechaçar a iniciativa, mas "no fim das contas" ele acha que devem querê-la.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mostrou otimismo sobre a possibilidade de que os palestinos aceitem um plano de paz com Israel. Durante breves declarações à imprensa ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Trump disse que os palestinos no início podem rechaçar a iniciativa, mas "no fim das contas" ele acha que devem querê-la.
Trump informou que revelará detalhes sobre o plano de paz para israelenses e palestinos nesta terça-feira. Questionado se falou com os palestinos sobre o tema, repetiu que dará detalhes da iniciativa amanhã, às 12h (hora local, 14h de Brasília). O presidente americano afirmou que Israel apoia suas ideias.
Já Netanyahu disse a repórteres que o acordo é a "oportunidade do século" para a paz entre as partes. Além disso, agradeceu o apoio ao atual presidente americano. "Agradeço tudo que você tem feito pelo Estado de Israel", disse Netanyahu, qualificando Trump como "o melhor amigo do Estado de Israel na Casa Branca". Ele citou o fato de que Trump reconheceu Jerusalém como capital israelense e transferiu a embaixada americana no país, o que é contestado pelos palestinos, que desejam Jerusalém Oriental como sua futura capital.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia