Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Chile

23/01/2020 - 03h00min. Alterada em 23/01 às 03h00min

Chile aprova paridade de gênero no processo de criação da nova Constituição

O Senado chileno aprovou por unanimidade o projeto que garante a paridade de gênero nas candidaturas para os integrantes do órgão constituinte que será composto para a criação da nova Constituição. O Chile fará um plebiscito no dia 26 de abril para decidir se elabora ou não uma nova Constituição. A proposta do plebiscito foi aprovada em novembro, após o país enfrentar um mês de protestos contra a desigualdade, os baixos valores das aposentadorias e o alto custo da saúde. Os manifestantes pediram, também, uma reforma na Constituição. Além da paridade de gênero, foi aprovada a criação de pactos eleitorais de independentes (pessoas não vinculadas a partidos políticos) e a reserva de lugares para representantes dos povos originários na composição do órgão, que será responsável pela redação da nova Carta Magna.
O Senado chileno aprovou por unanimidade o projeto que garante a paridade de gênero nas candidaturas para os integrantes do órgão constituinte que será composto para a criação da nova Constituição. O Chile fará um plebiscito no dia 26 de abril para decidir se elabora ou não uma nova Constituição. A proposta do plebiscito foi aprovada em novembro, após o país enfrentar um mês de protestos contra a desigualdade, os baixos valores das aposentadorias e o alto custo da saúde. Os manifestantes pediram, também, uma reforma na Constituição. Além da paridade de gênero, foi aprovada a criação de pactos eleitorais de independentes (pessoas não vinculadas a partidos políticos) e a reserva de lugares para representantes dos povos originários na composição do órgão, que será responsável pela redação da nova Carta Magna.
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia