Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Oriente médio

Alterada em 10/01 às 14h13min

Governo dos EUA anuncia novas sanções contra o Irã

Trump já tinha anunciado na quarta que seu governo iria implementar novas punições econômicas

Trump já tinha anunciado na quarta que seu governo iria implementar novas punições econômicas


ERIC BARADAT/AFP/JC
O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, anunciaram nesta sexta-feira (10) que o presidente Donald Trump autorizou novas sanções econômicas contra o Irã, em uma resposta ao ataque de Teerã contra soldados americanos no Iraque.
O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, anunciaram nesta sexta-feira (10) que o presidente Donald Trump autorizou novas sanções econômicas contra o Irã, em uma resposta ao ataque de Teerã contra soldados americanos no Iraque.
Não foram divulgados os detalhes das novas sanções, mas Mnuchin disse que o país cortará "bilhões de dólares" do regime iraniano e que as sanções serão implementadas contra altas autoridades do país e contra setores específicos.
Na quarta-feira (8), Trump já tinha anunciado que seu governo iria implementar novas punições econômicas contra o país em breve.
Pompeo disse não haver dúvidas de que o Irã pretendia matar americanos no ataque e considerou as sanções autorizadas pelo presidente como uma resposta apropriada.
"Observei a atividade iraniana na região naquela noite. Eles tinham intenção total de matar as forças americanas, fossem nossos militares ou o pessoal da diplomacia na região", afirmou.
"Estou confiante de que a resposta que o presidente deu é apropriada. O presidente disse que não queremos guerra. Queremos que o Irã se comporte como uma nação normal", acrescentou o secretário.
Pompeo disse novamente que os Estados Unidos tinham informações sobre uma ameaça iminente. "Ficou muito claro: o próprio Qassim Suleimani estava planejando um ataque amplo e de larga escala contra os interesses americanos, e esses ataques eram iminentes."
"Tínhamos informações específicas sobre uma ameaça iminente. E essas ameaças incluíam ataques às embaixadas dos EUA", disse Pompeo aos repórteres.
O anúncio ocorre em um momento de grande tensão entre o Irã e os EUA. No início desta semana, o Irã atacou bases que abrigavam tropas americanas no Iraque. As investidas foram uma retaliação ao assassinato do general iraniano Qassim Suleimani na semana passada.
Desde 2018, o governo Trump já impôs uma série de sanções contra o Irã que, segundo Teerã, custaram mais de US$ 200 bilhões ao país.
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia