Porto Alegre, quinta-feira, 23 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Bolívia

- Publicada em 12h57min, 09/01/2020. Atualizada em 12h57min, 09/01/2020.

Bolívia vai declarar alerta nacional por feminicídios

A presidente interina disse que pretende marcar 2020 como o ano de combate à violência contra a mulher

A presidente interina disse que pretende marcar 2020 como o ano de combate à violência contra a mulher


RONALDO SCHEMIDT/AFP/JC
Agência Brasil
O governo da Bolívia deve declarar alerta nacional nas próximas semanas devido ao aumento dos casos de violência contra as mulheres. A presidente interina do país, Jeanine Áñez, disse que vai aprovar um decreto para marcar 2020 como o "Ano de Combate à Violência contra a Mulher".
O governo da Bolívia deve declarar alerta nacional nas próximas semanas devido ao aumento dos casos de violência contra as mulheres. A presidente interina do país, Jeanine Áñez, disse que vai aprovar um decreto para marcar 2020 como o "Ano de Combate à Violência contra a Mulher".
Segundo o ministro da Justiça, Álvaro Coimbra, o governo está consternado com as estatísticas do ano passado, que terminou com 117 feminicídios. Em 2018, o relatório da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) registrou 128 assassinatos de mulheres no país, colocando a Bolívia em 5º lugar entre os países que mais matam mulheres na região.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
A Bolívia, com 2,3 feminicídios a cada 100 mil habitantes, fica atrás apenas de El Salvador (6,8), Honduras (5,1), Santa Lucía (4,4) e Trinidad e Tobago (3,4).
A Procuradoria Geral da República alertou que, apenas em 2020, já foram registrados nove feminicídios, 685 casos de violência física e 163 casos de estupro. O número de mortes, até o momento, é mais do que o dobro do registrado em 2019 - quando foram registradas 4 mortes entre o dia 1º e 7 de janeiro, informou o procurador-geral da Bolívia, Juan Lanchipa.
"Isso chama nossa atenção, e esperamos que as autoridades possam tomar ações preventivas. Sabemos que o governo está assumindo a tarefa de realizar ações de emergência, porque os números nos convidam a tomar ações conjuntas entre instituições para impedir a escalada da violência de gênero e do feminicídio", afirmou Lanchipa.
De acordo com o Ministério Público da Bolívia, a maioria das mortes ocorreu devido à asfixia causada por seus agressores. Uma morte foi por ferimentos de armas brancas e outra por espancamento.
Para o ministro da Justiça, o "alerta nacional" busca envolver todas as instituições estatais, não apenas do ponto de vista da logística, projetos e planos, mas também da mobilização de recursos econômicos.
Comentários CORRIGIR TEXTO