Porto Alegre, quinta-feira, 23 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Bolívia

- Publicada em 13h05min, 12/12/2019. Atualizada em 13h04min, 12/12/2019.

Evo Morales deixa asilo no México e vai para a Argentina

Morales já indicou a ida ao país pela proximidade com a Bolívia para poder atuar na liderança do partido

Morales já indicou a ida ao país pela proximidade com a Bolívia para poder atuar na liderança do partido


EVARISTO SA/AFP/JC
Folhapress
O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou na manhã desta quinta-feria (12) a Buenos Aires e ficará no país na condição de asilado, segundo confirmou o chanceler argentino, Felipe Solá. Morales chegou num voo que deixou Cuba na noite anterior, e está realizando os trâmites burocráticos no Ministério do Interior.
O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou na manhã desta quinta-feria (12) a Buenos Aires e ficará no país na condição de asilado, segundo confirmou o chanceler argentino, Felipe Solá. Morales chegou num voo que deixou Cuba na noite anterior, e está realizando os trâmites burocráticos no Ministério do Interior.
"Evo Morales, seu vice, Álvaro García Linera, o ex-chanceler e uma ex-ministra, vieram com ele", declarou Solá a meios argentinos. O chanceler disse aos meios locais que "Evo está muito agradecido, ele nos disse que se sente melhor aqui que no México", disse.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Morales já havia demonstrado intenção de vir à Argentina, país onde estão também seus dois filhos, para estar mais próximo da Bolívia e atuar, a partir do país, na liderança de seu partido, o MAS (Movimento ao Socialismo), segundo contou em uma entrevista a um programa de TV argentino, quando ainda estava no México.
Nessa ocasião, Morales disse que queria estar perto do país durante o processo eleitoral que deve ocorrer entre março e abril, segundo relatou à reportagem a chanceler Karen Longaric.
Na Argentina, há uma comunidade de mais de 600 mil bolivianos registrados e, de maneira informal, estima-se que esta população chegue a um milhão. As filas para votar em dia de eleição boliviana, na embaixada deste país, são sempre muito grandes.
O trajeto desde o México até Cuba foi realizado num avião venezuelano. Ainda não foi revelado qual aeronave Morales teria usado para chegar a Buenos Aires desde a ilha caribenha.
Morales tinha deixado o México com a justificativa de que iria fazer exames médicos em Cuba. O fato de o governo argentino ter mudado na terça-feira (10), o liberou para poder vir.
A nova administração da Argentina não reconhece o governo de Jeanine Áñez e ela não foi convidada para a posse de Fernández. "Para nós, na Bolívia há uma ditadura neste momento, houve rompimento da institucionalidade", disse o novo presidente.
Comentários CORRIGIR TEXTO