Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

WikiLeaks

Edição impressa de 26/11/2019. Alterada em 26/11 às 03h00min

Assange pode morrer na prisão se não receber tratamento urgente

Mais de 60 médicos escreveram às autoridades britânicas afirmando que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 48 anos, precisa de tratamento médico urgente ou pode morrer na prisão. Os profissionais disseram, em uma carta publicada ontem, que Assange sofre de problemas psicológicos, incluindo depressão, e de uma grave dor no ombro - além de questões relacionadas aos dentes.
Mais de 60 médicos escreveram às autoridades britânicas afirmando que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 48 anos, precisa de tratamento médico urgente ou pode morrer na prisão. Os profissionais disseram, em uma carta publicada ontem, que Assange sofre de problemas psicológicos, incluindo depressão, e de uma grave dor no ombro - além de questões relacionadas aos dentes.
O australiano está na prisão de segurança máxima de Belmarsh, nos arredores de Londres, enquanto espera a audiência sobre seu processo de extradição para os EUA, marcada para fevereiro. Washington acusa Assange de divulgar milhares de documentos confidenciais.
"Do ponto de vista médico, e diante da evidência disponível, temos uma grande preocupação com o estado físico de Assange para enfrentar o julgamento. O mais importante é que, na nossa opinião, Assange requer uma avaliação médica urgente sobre seu estado físico e psicológico", afirmam.
A carta dos médicos - profissionais de Reino Unido, Austrália e Sri Lanka, entre outros países - foi enviada ao secretário de Interior do Reino Unido, Priti Patel, e distribuída pelo WikiLeaks.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia