Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

China

20/11/2019 - 03h00min. Alterada em 20/11 às 03h00min

Manifestantes de Hong Kong seguem em universidade, mesmo sob ameaça

Dezenas de manifestantes pró-democracia permanecem entrincheirados na Universidade Politécnica de Hong Kong nesta terça-feira, apesar das ameaças de intervenção cada vez mais explícitas do governo da China. O bloqueio, iniciado no domingo, é o confronto mais longo e violento com a polícia desde o início dos protestos, em junho, na ex-colônia britânica. Muitos estudantes continuam no campus por temerem a detenção por parte das forças policiais. Alguns manifestantes conseguiram sair, na segunda-feira, deslizando em cordas por uma passarela e fugindo, em seguida, de moto. Segundo a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, eleita por um comitê favorável a Pequim, disse que não resta outra escolha aos manifestantes a não ser a rendição.
Dezenas de manifestantes pró-democracia permanecem entrincheirados na Universidade Politécnica de Hong Kong nesta terça-feira, apesar das ameaças de intervenção cada vez mais explícitas do governo da China. O bloqueio, iniciado no domingo, é o confronto mais longo e violento com a polícia desde o início dos protestos, em junho, na ex-colônia britânica. Muitos estudantes continuam no campus por temerem a detenção por parte das forças policiais. Alguns manifestantes conseguiram sair, na segunda-feira, deslizando em cordas por uma passarela e fugindo, em seguida, de moto. Segundo a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, eleita por um comitê favorável a Pequim, disse que não resta outra escolha aos manifestantes a não ser a rendição.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia