Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Chile

Edição impressa de 13/11/2019. Alterada em 13/11 às 03h00min

Santiago, Valparaíso e outras cidades chilenas têm dia de greve geral

O Chile completou, ontem, 26 dias de mobilizações, com uma grande manifestação em Santiago e uma greve geral que paralisou as atividades na cidade costeira de Valparaíso e em outras partes do país, com pedidos de melhorias sociais e em meio ao debate sobre uma reforma na Constituição.
O Chile completou, ontem, 26 dias de mobilizações, com uma grande manifestação em Santiago e uma greve geral que paralisou as atividades na cidade costeira de Valparaíso e em outras partes do país, com pedidos de melhorias sociais e em meio ao debate sobre uma reforma na Constituição.
Milhares de pessoas se manifestavam na Plaza Italia, no centro da capital, batizada popularmente como "Praça da Dignidade". Com bandeiras chilenas e dos indígenas mapuches, a manifestação era pacífica.
Em Santiago, o registro civil aderiu à paralisação convocada pela Associação Nacional de Empregados Fiscais e prestava serviços mínimos para aqueles que fossem casar e já tivessem hora marcada. Trabalhadores da saúde pública, por sua vez, interromperam o trânsito perto do Ministério da Saúde, também no Centro da cidade. As aulas foram suspensas porque muitos professores e alunos não podiam comparecer às escolas.
Em Valparaíso, o Congresso suspendeu as atividades tanto da Câmara dos Deputados como do Senado. Houve, ainda, a suspensão do Merval, o metrô que une Viña del Mar a Valparaíso e que comunica a região, bem como do transporte público em geral. Algumas pessoas ofereciam voluntariamente transporte para outras em seus automóveis para ajudá-las a se manifestar.
No começo da manhã, alguns locais foram apedrejados, o que inibiu a abertura de muitos comércios e pequenas e médias empresas, diante do temor de saques ou ataques. Na rota que une Viña del Mar e Valparaíso a Santiago, havia dificuldades no trânsito por causa de barricadas. Em Concepción, no Sul do país, havia grandes manifestações, com grupos menos numerosos em Temuco, também no Sul. Em Antofagasta, no Norte, foram levantadas barricadas que levaram à suspensão do transporte público.
Os 26 dias de mobilizações representam um alto custo econômico para o Chile. A Câmara Nacional de Comércio, Serviços e Turismo estimou que poderiam ser perdidos até 100 mil empregos, e que as finanças familiares de muitos pequenos e médios empresários foram fortemente afetadas. Ontem, o dólar superava o recorde histórico de 800 pesos nos mercados, quando antes das manifestações estava entre 700 e 720 pesos chilenos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia