Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de outubro de 2019.
Dia do Nordestino e dia Nacional do Combate a Cartéis.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Ciência

08/10/2019 - 08h44min. Alterada em 08/10 às 08h44min

Cientistas que ajudaram a explicar o Universo ganham Nobel de Física de 2019

Prêmio de 9 milhões de coroas suecas foi dividido entre James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz

Prêmio de 9 milhões de coroas suecas foi dividido entre James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz


JONATHAN NACKSTRAND/AFP/JC
O Nobel de Física de 2019, anunciado nesta terça-feira (7), foi para James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz por suas contribuições que nos ajudaram a entender melhor o Universo. Nesta segunda (7), foi anunciado o prêmio de Medicina e, nesta quarta, será a vez do de Química (3). 
O Nobel de Física de 2019, anunciado nesta terça-feira (7), foi para James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz por suas contribuições que nos ajudaram a entender melhor o Universo. Nesta segunda (7), foi anunciado o prêmio de Medicina e, nesta quarta, será a vez do de Química (3). 
Metade do prêmio de 9 milhões de coroas suecas, o equivalente a cerca de R$ 3,7 milhões, irá para o canadense James Peebles, da Universidade Princeton, por suas descobertas teóricas em física cosmológica. A outra metade será dividida entre o suíço Michel Mayor, da Universidade de Genebra,e Didier Queloz, da Universidade de Genebra e da Universidade de Cambridge, pela primeira descoberta de um exoplaneta (planeta fora do Sistema Solar) orbitando uma estrela do tipo solar, em 1995.
 
"Os três ganhadores de 2019 transformaram nossas ideias sobre o Universo. Enquanto as descobertas teóricas de Peebles contribuíram para nosso entendimento de como o Universo evoluiu depois do Big Bang, Mayor e Queloz exploraram nossa vizinhança cósmica em busca de planetas desconhecidos. Suas descobertas mudaram para sempre nossa concepção do mundo", afirma um comunicado do Prêmio Nobel.
 
A pesquisa de James Peebles tornou-se a base para a transformação da cosmologia nos últimos 50 anos, que evoluiu da especulação para a ciência. É também a base para os conceitos atuais do Universo.
 
O modelo do Big Bang descreve o Universo desde seus primeiros momentos, há cerca de 14 bilhões de anos, quando o Cosmo estava extremamente quente e denso. Desde então, ele vem se expandindo, tornando-se maior e mais frio. Quase 400 mil anos antes do Big Bang, o Universo se tornou transparente e raios de luz conseguiam viajar pelo espaço. Mesmo hoje, essa radiação antiga está ao nosso redor, e muitos dos segredos do Universo estão escondidas nela. Usando suas ferramentas teóricas e cálculos, James Peebles conseguiu interpretar esses traços da "infância" do Universo. Seus resultados nos mostraram um Universo no qual apenas 5% de seu conteúdo é conhecido, ou seja, a matéria que constitui estrelas, planetas, árvores - e nós, claro. O restante, 95%, é formado pelas desconhecidas matéria escura e energia escura.
 
Já Michel Mayor e Didier Queloz anunciaram a primeira descoberta de um planeta fora do nosso Sistema Solar, o chamado exoplaneta, que orbitava uma estrela do tipo solar em nossa galáxia, a Via Láctea. No Observatório Haute-Provence, no sul da França, usando instrumentos improvisados, eles conseguiram observar o planeta 51 Pegasib, uma bola gasosa comparável a Júpiter, o maior planeta gasoso do Sistema Solar.
 
A descoberta deu início a uma revolução na astronomia. Quase 4.000 exoplanetas foram descobertos desde então na Via Láctea. Novos mundos de diferentes tamanhos, formatos e órbitas continuam sendo achados.
Mayor e Queloz desafiaram os conceitos preexistentes sobre sistemas planetários e forçaram os cientistas a revisar suas teorias sobre os processos físicos por trás da origem dos planetas. Com tantos projetos dedicados a procurar exoplanetas, a resposta para a pergunta sobre vida fora da Terra pode ser um dia respondida.
 
Em 2018, o Nobel de Física foi entregue ao americano Arthur Ashkin, à canadense Donna Strickland e ao francês Gérard Mourou por suas pesquisas com laser. Ashkin, ligado aos Laboratórios Bell (EUA), foi premiado com metade do valor do prêmio por sua pesquisa com as chamadas pinças ópticas. Com 96 anos, ele se tornou o vencedor mais velho da história.
 
Mourou, da École Polytechnique (França), e Strickland, da Universidade de Walterloo (Canadá), dividirão a outra metade por seu método de gerar pulsos ópticos supercurtos de alta intensidade. Strickland foi apenas a terceira mulher a vencer o prêmio de física. Antes dela, foram laureadas Marie Curie (1903) e Maria Goeppert-Mayer (1963).
 
Em 2017,os vencedores foram os cientistas que realizaram a primeira detecção das ondas gravitacionais. Previstas pelo físico Albert Einstein (1879-1955) há um século, essas ondas são perturbações no tecido que os físicos denominam espaço-tempo e se propagam na velocidade da luz.
 
A escolha do vencedor do prêmio mais importante da área é feita pela Academia Real Sueca de Ciências, na Suécia, escolhida por Alfred Nobel em seu testamento para eleger e premiar com a láurea o os autores de feitos notáveis para a humanidade. Podem indicar nomes membros do comitê do Nobel do Instituto Karolinska, membros da Academia Real Sueca de Ciências, vencedores dos Nobéis de física, professores titulares de física de instituições suecas, norueguesas, finlandesas, islandesas ou dinamarquesas e acadêmicos e cientistas selecionados pelo comitê do Nobel - autoindicações são desconsideradas.
 
A cerimônia de premiação propriamente dita dos vencedores deste ano só ocorre em dezembro. Entre os cientistas premiados no passado estão Max Planck (1918), por ter lançado as bases da física quântica; Albert Einstein (1921), pela descoberta do efeito fotoelétrico; Niels Bohr (1922), por suas contribuições para o entendimento da estrutura atômica e Paul Dirac e Erwin Schrödinger (1933), pelo desenvolvimento de novas versões da teoria quântica.
 
Foram premiados ainda Arno Penzias e Robert Wilson (1978), pela descoberta e detecção da radiação de fundo do Universo; o trio William Bradford Shockley, John Bardeen e Walter Houser Brattain (1956), por pesquisa na área de semicondutores e pela descoberta do efeito transistor, e a dupla Peter W. Higgs e François Englert (2013) por seus trabalhos sobre como as partículas adquirem massa.
 
O físico brasileiro César Lattes (1924-2005)teve participação decisiva em uma das descobertas científicas mais importantes do século passado:a detecção do méson pi (ou píon), partícula que mantém prótons e nêutrons unidos no núcleo dos átomos. Ele foi indicado ao Nobel de Física sete vezes, mas nunca levou o prêmio.
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia