Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Hong Kong

- Publicada em 03h18min, 22/08/2019. Atualizada em 03h00min, 22/08/2019.

Funcionário do consulado britânico é detido pela China

Autoridades chinesas confirmaram, ontem, a detenção de um funcionário do consulado do Reino Unido em Hong Kong, que estava desaparecido desde 8 de agosto, em uma ação que deve aumentar as tensões no território. Simon Cheng, de 28 anos, trabalha como consultor de comércio e investimentos na representação britânica e foi colocado em detenção administrativa por 15 dias.

Autoridades chinesas confirmaram, ontem, a detenção de um funcionário do consulado do Reino Unido em Hong Kong, que estava desaparecido desde 8 de agosto, em uma ação que deve aumentar as tensões no território. Simon Cheng, de 28 anos, trabalha como consultor de comércio e investimentos na representação britânica e foi colocado em detenção administrativa por 15 dias.

Segundo o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, o homem foi preso em Shenzhen, cidade na fronteira com Hong Kong, por ter violado uma lei de segurança pública. Ele não mencionou se há alguma ligação entre a detenção e os protestos contra Pequim, que tem agitado Hong Kong há meses.

Após mais de um século sob julgo britânico, o território passou para o domínio chinês em 1997, mas o acordo de devolução deu certa autonomia jurídica e política à região, em um arranjo conhecido como "um país, dois sistemas". Isso fez o governo britânico se manifestar sobre o caso, criticando a China e afirmando estar "extremamente preocupado" com a detenção do funcionário. "Cheng não é cidadão britânico. Ele é chinês, então isso é uma questão interna que cabe apenas à China", respondeu o porta-voz.

Hong Kong vive, há meses, a maior crise política desde que retornou ao controle chinês, com uma série de manifestações por mais democracia. A China chegou a enviar tropas para Shenzhen, mas, até o momento, não fez nenhuma ação direta contra Hong Kong.

Comentários CORRIGIR TEXTO