Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações diplomáticas

- Publicada em 03h05min, 19/08/2019. Atualizada em 03h00min, 19/08/2019.

Gibraltar rejeita pressão dos Estados Unidos para reter petroleiro iraniano

Autoridades em Gibraltar rejeitaram o último pedido dos Estados Unidos para não liberar um petroleiro iraniano apreendido, abrindo caminho para que a embarcação possa seguir viagem. O navio havia sido detido no mês passado por suposta tentativa de violar as sanções da União Europeia à Síria.

Autoridades em Gibraltar rejeitaram o último pedido dos Estados Unidos para não liberar um petroleiro iraniano apreendido, abrindo caminho para que a embarcação possa seguir viagem. O navio havia sido detido no mês passado por suposta tentativa de violar as sanções da União Europeia à Síria.

Logo após a detenção da embarcação, no início de julho, perto de Gibraltar - território ultramarino britânico -, Teerã apreendeu o petroleiro Stena Impero, de bandeira britânica, que continua em poder da República Islâmica. Analistas avaliam que a liberação do navio iraniano por Gibraltar pode fazer com que o Stena Impero seja liberado.

O governo de Gibraltar disse que está permitindo a liberação do petroleiro iraniano porque "o regime de sanções da União Europeia contra o Irã (que é aplicável em Gibraltar) é muito mais restrito do que o aplicável nos EUA". O governo norte-americano havia entrado com um mandado na Justiça para apreender a embarcação e sua carga de 2,1 milhões de barris de petróleo, citando violações das sanções dos EUA, bem como lavagem de dinheiro e terrorismo.

Autoridades norte-americanas disseram que o petróleo a bordo do navio era destinado a uma organização terrorista. Os documentos judiciais divulgados argumentam que a Guarda Revolucionária Islâmica do Irã é a verdadeira dona do navio, por meio de uma rede de empresas de fachada. Ao contrário do que ocorre nos EUA, a Guarda Revolucionária do Irã não é considerada organização terrorista sob as leis da União Europeia, do Reino Unido ou de Gibraltar.

Comentários CORRIGIR TEXTO