Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de agosto de 2019.
Dia Mundial da Fotografia.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Afeganistão

Edição impressa de 19/08/2019. Alterada em 19/08 às 03h00min

Ataque durante casamento em Cabul deixa mais de 60 mortos

Atentado em Cabul foi considerado o mais violento do ano na capital afegã

Atentado em Cabul foi considerado o mais violento do ano na capital afegã


Wakil KOHSAR/AFP/JC
Pelo menos 63 pessoas morreram e 182 ficaram feridas em atentado perpetrado no sábado à noite por um homem-bomba durante a celebração de um casamento em Cabul, no Afeganistão. Foi o ataque mais violento deste ano na capital afegã, segundo a imprensa local.
Pelo menos 63 pessoas morreram e 182 ficaram feridas em atentado perpetrado no sábado à noite por um homem-bomba durante a celebração de um casamento em Cabul, no Afeganistão. Foi o ataque mais violento deste ano na capital afegã, segundo a imprensa local.
O Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria neste domingo. Em comunicado divulgado pela rede social Telegram, cuja veracidade não pôde ser comprovada independentemente, o grupo terrorista disse que um suicida identificado como Abu Asem al Pakistani detonou os explosivos que carregava.
O atentado ocorre em um momento em que o Talibã e os Estados Unidos tentam negociar um acordo sobre a retirada das forças norte-americanas do país, em troca de um compromisso por parte dos talibãs com a segurança e conversas de paz com o governo afegão, apoiado por Washington. O movimento fundamentalista islâmico negou rapidamente responsabilidade pela explosão e condenou o atentado - realizado em um salão de festas no Oeste de Cabul, em um bairro da minoria xiita - como "proibido e injustificável".
O presidente Ashraf Ghani havia afirmado, porém, que não há como escapar da culpa por esse ataque "bárbaro". "O Talibã não pode se absolver de culpa, porque eles fornecem plataforma para os terroristas", escreveu ele no Twitter.
Casamentos afegãos costumam ser festas épicas, com centenas ou milhares de convidados celebrando por horas dentro de salões de festa gigantescos, onde mulheres e crianças geralmente ficam separadas dos homens. Ahmad Omid, um dos sobreviventes, disse que cerca de 1,2 mil pessoas haviam sido convidadas para o casamento da prima de seu pai.
"Os convidados estavam dançando e comemorando a festa quando a explosão aconteceu", lembrou Munir Ahmad, que ficou gravemente ferido e perdeu uma prima no ataque. "Após a explosão, foi caos total. Todo mundo estava gritando e chorando por seus entes queridos", afirmou ele, que se encontra em um leito de hospital, onde está sendo tratado por ferimentos causados por estilhaços.
Acredita-se que o casamento era uma união xiita. Muçulmanos xiitas são frequentemente alvejados no Afeganistão, de maioria sunita, principalmente pelo EI, também ativo em Cabul. Em 7 de agosto, um carro-bomba do Talibã visando às forças de segurança afegãs foi detonado na mesma avenida do salão de festas, matando 14 pessoas e ferindo 145, a maioria mulheres, crianças e outros civis.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia