Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de agosto de 2019.
Dia do Economista .

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Hong Kong

Edição impressa de 13/08/2019. Alterada em 13/08 às 03h00min

Hong Kong cancela voos em meio a protestos contra a polícia

Manifestantes tomaram os terminais de embarque e desembarque do aeroporto local

Manifestantes tomaram os terminais de embarque e desembarque do aeroporto local


MANAN VATSYAYANA/AFP/JC
A autoridade aeroportuária de Hong Kong cancelou mais de 100 voos ontem, à medida que milhares de manifestantes se aglomeraram no aeroporto da cidade semiautônoma para protestar contra a forma como a polícia vem lidando com a onda de atos populares dos últimos meses.
A autoridade aeroportuária de Hong Kong cancelou mais de 100 voos ontem, à medida que milhares de manifestantes se aglomeraram no aeroporto da cidade semiautônoma para protestar contra a forma como a polícia vem lidando com a onda de atos populares dos últimos meses.
Após protagonizarem o confronto mais violento com a polícia pelo décimo fim de semana consecutivo, manifestantes tomaram os terminais de embarque e desembarque do aeroporto local, expandindo um protesto menor que vinha ocorrendo desde sexta-feira.
O aeroporto de Hong Kong é um dos mais movimentados do mundo. No ano passado, foram mais de 400 mil voos, que transportaram 75 milhões de passageiros e 5 milhões de toneladas de carga.
Na China, autoridades condenaram as manifestações do fim de semana em Hong Kong e as descreveram como atos "insanos" que marcaram os "sinais iniciais de terrorismo", prometendo repreender seus responsáveis de forma implacável. "Manifestantes radicais de Hong Kong têm usado de forma repetida armas extremamente perigosas para atacar policiais", disse ontem um porta-voz do escritório do governo chinês para assuntos de Hong Kong e Macau. "Os primeiros sinais de terrorismo estão começando a aparecer", acrescentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia