Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de agosto de 2019.
Dia do Economista .

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Guatemala

Edição impressa de 13/08/2019. Alterada em 13/08 às 15h29min

Alejandro Giammattei é o novo presidente da Guatemala

Giammattei promete combater a insegurança com ações como reviver a pena de morte no país

Giammattei promete combater a insegurança com ações como reviver a pena de morte no país


JOHAN ORDONEZ/AFP/JC
O conservador Alejandro Giammattei foi eleito no domingo o novo presidente da Guatemala. Integrante do partido Vamos, ele promete combater a insegurança com ações como reviver a pena de morte e tratar as gangues violentas como terroristas.
O conservador Alejandro Giammattei foi eleito no domingo o novo presidente da Guatemala. Integrante do partido Vamos, ele promete combater a insegurança com ações como reviver a pena de morte e tratar as gangues violentas como terroristas.
No entanto, Giammattei enfrentará um desafio ainda pior depois de a Guatemala ter assinado um tratado impopular com Washington. Ele já afirmou que vai pensar sobre o que pode ser feito para alterar o acordo migratório firmado pela atual administração de Jimmy Morales no fim de julho, depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou a Guatemala com a taxação sobre as remessas de dinheiro e o aumento das tarifas sobre exportações.
A Guatemala aceitou o acordo para se tornar o que Washington chamou de "terceiro país seguro", no qual os imigrantes solicitarão asilo, em vez de permanecer nos EUA. Segundo autoridades norte-americanas, aqueles que chegarem sem ter solicitado asilo na Guatemala serão devolvidos.
Em contrapartida, segundo o governo guatemalteco, parte do acordo estabelece um convênio para dar vistos de trabalho no setor agrícola a cidadãos dos países centro-americanos, o que poderia ser ampliado para setores de construção e serviços. As remessas dos migrantes nos EUA são fundamentais para a economia local. No ano passado, foram quase US$ 9,3 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia