Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de agosto de 2019.
Dia Nacional da Juventude .

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

12/08/2019 - 13h33min. Alterada em 12/08 às 14h47min

Risco de derrota de Macri derruba mercado argentino

Na Argentina, o dólar tem alta de 30%, a 58,85 pesos por dólar, máxima histórica

Na Argentina, o dólar tem alta de 30%, a 58,85 pesos por dólar, máxima histórica


RONALDO SCHEMIDT/AFP/JC
Folhapress
As primárias argentinas deste domingo (11) surpreenderam o mercado financeiro. A larga diferença entre a oposição liderada por Alberto Fernández, que tem a ex-mandatária Cristina Kirchner como vice, e o atual presidente Maurício Macri torna improvável sua reeleição em outubro.
As primárias argentinas deste domingo (11) surpreenderam o mercado financeiro. A larga diferença entre a oposição liderada por Alberto Fernández, que tem a ex-mandatária Cristina Kirchner como vice, e o atual presidente Maurício Macri torna improvável sua reeleição em outubro.
A chance de mudança na política econômica do país deteriora os mercados nesta segunda-feira (12). Na Argentina, o dólar tem alta de 30%, a 58,85 pesos por dólar, máxima histórica. A Bolsa do país despenca 12,18%, por volta das 11h34.
Com 58% das urnas apuradas, a dupla kirchnerista tinha 47% dos votos contra 32,6% da chapa de Macri. A tendência, segundo o órgão eleitoral, é que a diferença continue assim até o final da apuração.
O mercado financeiro já esperava uma derrota de Macri, mas com uma diferença de apenas 9 pontos percentuais entre as chapas. A distância de cerca de 15 pontos percentuais nas primárias pode levar a eleição em primeiro turno de Fernández.
Investidores, no entanto, esperavam dois turnos, com uma reeleição de Macri.
No Brasil, importante parceiro econômico da Argentina, o mercado também opera em viés negativo com o a vitória kirchnerista. O Ibovespa recua 2%, a 101.905 pontos. O dólar sobe 1,57%, a R$ 4, maior patamar desde maio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia