Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de agosto de 2019.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Edição impressa de 09/08/2019. Alterada em 09/08 às 03h00min

Por apoio a muro na fronteira com o México, Trump alivia discurso sobre armas

Em El Paso, manifestantes protestaram contra a visita do presidente

Em El Paso, manifestantes protestaram contra a visita do presidente


/MARK RALSTON/AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, viajou, na quarta-feira, a Dayton (Ohio) e El Paso (Texas), três dias depois dos ataques a tiros que deixaram ao menos 31 mortos em 13 horas, no fim de semana passado. O republicano tem usado os episódios como uma forma de impulsionar um acordo com democratas em torno de leis mais rígidas sobre imigração - como a ideia de construir um muro na fronteira - em troca do apoio a discussões sobre mais controle de armas. 
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, viajou, na quarta-feira, a Dayton (Ohio) e El Paso (Texas), três dias depois dos ataques a tiros que deixaram ao menos 31 mortos em 13 horas, no fim de semana passado. O republicano tem usado os episódios como uma forma de impulsionar um acordo com democratas em torno de leis mais rígidas sobre imigração - como a ideia de construir um muro na fronteira - em troca do apoio a discussões sobre mais controle de armas. 
Desde domingo, sua retórica anti-imigração é alvo de críticas de opositores e de manifestantes, especialmente no caso de El Paso, tratado como crime de ódio em razão do manifesto contra imigrantes deixado pelo atirador. Mais de 80% dos habitantes da cidade texana na fronteira com o México têm origem latina. Protestos ocorreram na frente dos hospitais que o presidente visitou, com cartazes pedindo que ele "faça alguma coisa" e maior controle no acesso a armas.
A sugestão de um toma lá, dá cá, no entanto, incomodou os democratas. Jerry Nadler, presidente da Comissão de Justiça da Câmara, comparou a ideia do presidente à Alemanha nazista. "Qual é a conexão entre verificações de antecedentes e reforma da imigração? Que temos de manter as armas fora das mãos de pessoas menos humanas que cruzam nossas fronteiras? Isso é nojento", disse.
Segundo a ONG Gun Violence Archive, os EUA já registraram 255 ataques a tiros em 2019, mais do que o número de dias do ano. A cada tragédia, o debate sobre maior rigor no controle a armas ressurge.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia