Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de julho de 2019.
Dia do Engenheiro Florestal.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

12/07/2019 - 12h56min. Alterada em 12/07 às 12h56min

Jornalista é impedida de cobrir campanha eleitoral nos EUA por ser mulher

Folhapress
A repórter Larrison Campbell, do Mississippi Today, foi impedida de cobrir uma viagem da campanha eleitoral de Robert Foster por não aceitar a condição imposta pelo candidato: que ela fosse acompanhada por um colega - e tinha que ser um homem.
A repórter Larrison Campbell, do Mississippi Today, foi impedida de cobrir uma viagem da campanha eleitoral de Robert Foster por não aceitar a condição imposta pelo candidato: que ela fosse acompanhada por um colega - e tinha que ser um homem.
O republicano, que concorre ao cargo de governador do estado do Mississipi, alegou que a decisão foi tomada em respeito à esposa dele. Segundo Foster, a presença de uma repórter sem um acompanhante poderia levantar suspeitas de um caso extraconjugal.
A jornalista relata que o diretor da campanha de Foster, Colton Robison, argumentou que um colega do gênero masculino precisaria acompanhá-la para evitar rumores do candidato com a repórter. Ela afirmou em matéria do Mississippi Today que considerou o pedido sexista.
"A única razão para você achar que as pessoas vão pensar que eu estou tendo uma relação imprópria com o seu candidato é porque sou uma mulher", declarou.
Ela aponta que a solicitação da equipe de Foster é desnecessária levando em conta sua experiência profissional em cobertura política.
O diretor da campanha declarou que isso era algo que "não poderiam arriscar", já que é comum que outros candidatos contratem pessoas para seguirem a campanha de seus rivais e gravarem os candidatos em busca de situações comprometedoras.
A jornalista ainda conta que sugeriu utilizar um crachá de identificação do jornal em todos os momentos da viagem, mas o diretor de campanha negou novamente e insistiu na condição de que houvesse um repórter com ela.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia