Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de julho de 2019.
Dia do Engenheiro Florestal.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Edição impressa de 12/07/2019. Alterada em 12/07 às 03h00min

Grandes cidades enfrentarão condições climáticas 'desconhecidas' aponta estudo

Um quinto das grandes cidades do mundo enfrentará condições climáticas "desconhecidas" até 2050, já que as temperaturas em elevação aumentam os riscos de secas e inundações. Cientistas de clima do Crowther Lab, grupo de pesquisa da ETH Zurich, uma universidade de ciência e tecnologia da Suíça, analisaram 520 cidades, incluindo todas as capitais e a maioria dos centros urbanos com população de mais de 1 milhão de habitantes.
Um quinto das grandes cidades do mundo enfrentará condições climáticas "desconhecidas" até 2050, já que as temperaturas em elevação aumentam os riscos de secas e inundações. Cientistas de clima do Crowther Lab, grupo de pesquisa da ETH Zurich, uma universidade de ciência e tecnologia da Suíça, analisaram 520 cidades, incluindo todas as capitais e a maioria dos centros urbanos com população de mais de 1 milhão de habitantes.
Considerando as condições climáticas atuais dessas cidades - inclusive dados sazonais e de precipitação -, os cientistas projetaram o que acontecerá se as temperaturas subirem mais meio grau, aproximando-se do piso da meta de 1,5°C estabelecida no Acordo de Paris de 2015.
O relatório mostrou que 22% das cidades terão condições climáticas inéditas até 2050, como estações de seca e de monções mais intensas, disse Jean Francis-Bastin, o principal autor do estudo. "É uma mudança de condições climáticas que provavelmente aumentará o risco de inundações e secas extremas", disse ele à Thomson Reuters Foundation. "São condições desconhecidas."
Para a Organização das Nações Unidas (ONU), quase 70% da população mundial deverá estar morando em áreas urbanas até 2050. Mas muitas cidades, especialmente em nações mais pobres, enfrentam desafios consideráveis, como populações grandes e crescentes em favelas que carecem de serviços básicos e correm risco cada vez maior de desastres climáticos.
Conforme o Acordo de Paris, que foi ratificado por mais de 200 países, governos prometeram manter o aquecimento global "bem abaixo" dos 2°C e buscar um limite menor de 1,5°C. Limitar a elevação das temperaturas globais a 1,5°C evitaria perdas econômicas de US$ 12 trilhões até 2050, ainda de acordo com a ONU.
Cientistas do Crowther Lab afirmaram que o estudo, publicado no periódico científico Plos One, foi a primeira análise global das alterações prováveis nas condições climáticas de grandes cidades resultantes do aquecimento global. A pesquisa também revelou que 77% das cidades analisadas testemunharão uma mudança notável nas condições climáticas dentro de 21 anos.
Cidades de regiões tropicais, que provavelmente sofrerão os impactos mais fortes da mudança do clima, terão alterações menores na temperatura média, mostra o estudo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia