Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de julho de 2019.
Dia da Pizza.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Edição impressa de 10/07/2019. Alterada em 10/07 às 03h00min

Ex-presidente argentino Fernando de la Rúa morre aos 81 anos

Ex-presidente governou o país de 10 de dezembro de 1999 a 21 de dezembro de 2001

Ex-presidente governou o país de 10 de dezembro de 1999 a 21 de dezembro de 2001


DANIEL LUNA/AFP/JC
O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa morreu ontem aos 81 anos, em decorrência de uma doença cardíaca. No início do ano, ele havia feito uma cirurgia para colocar três stents. Depois, passou por uma traqueostomia.
O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa morreu ontem aos 81 anos, em decorrência de uma doença cardíaca. No início do ano, ele havia feito uma cirurgia para colocar três stents. Depois, passou por uma traqueostomia.
O ex-presidente encontrava-se, desde então, internado na clínica Fleming, em Buenos Aires. Na segunda-feira, a equipe médica que cuidava de De La Rúa informou que seu estado era "muito grave, com uma descompensação cardíaca e renal". Os médicos também afirmaram que, sedado, respirava por meio de aparelhos. Além dos problemas cardíacos, fazia tratamento oncológico.
Nascido em Córdoba, De La Rúa governou o país de 10 de dezembro de 1999 a 21 de dezembro de 2001. Foi o mais recente governante argentino proveniente da União Cívica Radical, partido histórico e que hoje integra a base de apoio da aliança governista Cambiemos, do atual presidente, Mauricio Macri.
De La Rúa também foi o protagonista de uma das maiores crises político-econômicas da história argentina. Tanto que a imagem mais famosa relacionada a ele é a de sua saída da Casa Rosada, de helicóptero, poucos momentos depois de renunciar, pressionado por inquietação social que causou 39 mortes e deixou mais de 400 feridos.
Sua última aparição pública ocorreu na cúpula do G-20 de Buenos Aires, no fim de 2018, quando assistiu ao concerto no Teatro Colón no qual Macri foi o anfitrião dos líderes internacionais convidados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia