Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

África

Edição impressa de 09/07/2019. Alterada em 09/07 às 03h00min

Prazo de governo interino na Argélia termina nesta terça-feira

Nesta terça-feira, acaba o prazo de 90 dias do governo interino da Argélia instituído após a queda do presidente Abdelaziz Bouteflika. As manifestações que forçaram sua renúncia depois de 20 anos no poder, porém, não cessam há quatro meses, focadas na reivindicação de uma transição transparente e independente, sem a onipresente interferência do Exército e de representantes do antigo regime, que ainda controlam o sistema.
Nesta terça-feira, acaba o prazo de 90 dias do governo interino da Argélia instituído após a queda do presidente Abdelaziz Bouteflika. As manifestações que forçaram sua renúncia depois de 20 anos no poder, porém, não cessam há quatro meses, focadas na reivindicação de uma transição transparente e independente, sem a onipresente interferência do Exército e de representantes do antigo regime, que ainda controlam o sistema.
No governo provisório formado pelo presidente interino Abdelkader Bensalah e o premiê Noureddine Bedoui, quem realmente manda é o general Ahmed Gaïd Salah, 79 anos, chefe do Estado-Maior do Exército. Três grupos alcançaram um consenso em torno de uma agenda comum para o futuro. Entre as propostas estão a adoção de uma transição de seis meses a um ano, liderada por uma comissão integrada por nomes nacionais aceitos pelo movimento popular, e a eleição de uma Assembleia Constituinte.
Na quarta-feira passada, o presidente Bensalah se comprometeu a realizar um diálogo nacional para pavimentar o caminho às eleições.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia