Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Rússia

Edição impressa de 03/07/2019. Alterada em 03/07 às 03h00min

Incêndio em submarino russo no Ártico causa 14 mortes

Pelo menos 14 marinheiros morreram no incêndio em um submarino em águas territoriais da Rússia no Oceano Ártico, perto da base de Sveromorsk, informou ontem o Ministério da Defesa local. Segundo o governo russo, o submarino fazia um estudo sobre o fundo do oceano quando o acidente ocorreu, na segunda-feira. O presidente Vladimir Putin cancelou sua agenda e reuniu-se com o ministro da Defesa, Serguei Shoigu, após ter conhecimento do acidente.
Pelo menos 14 marinheiros morreram no incêndio em um submarino em águas territoriais da Rússia no Oceano Ártico, perto da base de Sveromorsk, informou ontem o Ministério da Defesa local. Segundo o governo russo, o submarino fazia um estudo sobre o fundo do oceano quando o acidente ocorreu, na segunda-feira. O presidente Vladimir Putin cancelou sua agenda e reuniu-se com o ministro da Defesa, Serguei Shoigu, após ter conhecimento do acidente.
A Autoridade de Radiação da Noruega disse não ter registrado nenhum indício de vazamento nuclear no Ártico depois do incêndio. "Fizemos checagens e não há registros de altos níveis de radiação na área", disse o diretor do órgão, Per Strand.
As chamas dominaram parte da embarcação durante a operação de coleta de dados no fundo do mar, de acordo com a Marinha russa. O incêndio foi controlado, e o submarino conseguiu retornar ao porto.
O Ministério da Defesa não deu detalhes sobre as causas da tragédia ou se há sobreviventes. Segundo a imprensa russa, trata-se do AS-12 Losharik, um submarino nuclear de elite, criado em 2010, capaz de operar em profundidades de até 6 mil metros. Especialistas dizem que, além do monitoramento do leito oceânico, o Losharik pode ter como missão tentar interferir em cabos oceânicos de transmissões de dados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia