Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de julho de 2019.
Dia Mundial da Arquitetura.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

china

01/07/2019 - 08h23min. Alterada em 01/07 às 08h24min

Manifestantes quebram vidro e tentam invadir Parlamento de Hong Kong

Manifestantes bateram contra painel de vidro da entrada do prédio, quebrando parcialmente a proteção

Manifestantes bateram contra painel de vidro da entrada do prédio, quebrando parcialmente a proteção


WALLACE/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Manifestantes tentaram invadir o prédio do Poder Legislativo de Hong Kong nesta segunda-feira (1) no dia da marcha anual do 22º aniversário da transferência da soberania de seu território à China pelo Reino Unido. Milhares de pessoas se reúnem nas ruas e bloqueiam parte das principais vias da cidade desde a manhã.
Manifestantes tentaram invadir o prédio do Poder Legislativo de Hong Kong nesta segunda-feira (1) no dia da marcha anual do 22º aniversário da transferência da soberania de seu território à China pelo Reino Unido. Milhares de pessoas se reúnem nas ruas e bloqueiam parte das principais vias da cidade desde a manhã.
Um grupo que manifestava em frente ao Conselho Legislativo repetidamente bateu um carrinho de supermercado contra o painel de vidro da entrada do prédio, conseguindo quebrar parcialmente a proteção. A polícia trabalhou com bombas de gás e spray de pimenta e realizou um cerco no local danificado.
O acontecimento marcou o início das manifestações desta segunda-feira, que marca o 22º aniversário da transferência da soberania de Hong Kong do Reino Unido para a China. Já era esperada uma manifestação maior do que a usual para este evento por conta do imbróglio envolvendo a mudança de leis de extradição na região, que permitiria que suspeitos fossem levados para a China para serem julgados.
Isso, de acordo com os manifestantes, fere liberdades e direitos garantidos por Hong Kong há mais de 50 anos. O projeto de mudança nas leis de extradição foi suspenso, mas os manifestantes exigem que ele seja formalmente retirado de pauta, assim como a renúncia da chefe do Executivo, Carrie Lam, que participou de uma cerimônia em outro ponto da cidade nesta segunda-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia