Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de junho de 2019.
Dia do Turismo / Turista.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Hong Kong

Alterada em 13/06 às 08h56min

Situação continua tensa em Hong Kong

Milhares de pessoas bloquearam a entrada do Conselho Legislativo da cidade para protestar contra lei

Milhares de pessoas bloquearam a entrada do Conselho Legislativo da cidade para protestar contra lei


ANTHONY WALLACE/AFP/JC
Agência Brasil
Um dia depois de a polícia usar gás lacrimogdêneo e balas de borracha para afastar manifestantes que tentavam invadir repartições públicas, a situação continua tensa nesta quinta-feira (13) em Hong Kong. A tensão ocorre porque milhares de pessoas bloquearam a entrada do Conselho Legislativo da cidade para protestar contra uma lei apresentada pelo governo que, se aprovada, permite a extradição de residentes de Hong Kong para a China continental. Apesar disso, a polícia iniciou a retirada de barricadas das ruas, em uma tentativa de sinalizar para a população que a cidade está voltando à rotina normal.
Os protestos dessa quarta-feira (12) forçaram o Conselho Legislativo, predominantemente pró-Pequim, a adiar uma segunda leitura do projeto de lei de extradição, e os legisladores afirmaram hoje que nenhum novo debate sobre a legislação foi agendado após os distúrbios.
O chefe da polícia de Hong Kong, Stephen Lo, disse que 11 pessoas foram presas nos protestos de ontem. Ele acrescentou que 22 policiais foram feridos nos confrontos.
Em uma entrevista na televisão local, a executiva-chefe de Hong Kong, Carrie Lam, chamou os protestos de "tumultos organizados" e rejeitou as acusações de que seu apoio ao projeto de extradição significava que ela havia se "vendido" para Pequim.
"Eu cresci aqui com todo o povo de Hong Kong, meu amor por este lugar me levou a fazer muitos sacrifícios pessoais", disse ela.
Lam defendeu a aprovação da nova lei. No entanto, os oponentes dizem que a lei permitiria que qualquer pessoa fosse presa em Hong Kong e enviada para o continente para julgamento no sistema judicial da China.  
CORRIGIR