Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de abril de 2019.
Dia do Ferroviário.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 30/04 às 12h08min

Guaidó concede indulto a líder oposicionista da Venezuela

López foi condenado pela acusação de 'incitamento à desordem pública'

López foi condenado pela acusação de 'incitamento à desordem pública'


JUAN BARRETO/AFP/JC
Agência Brasil
O líder oposicionista venezuelano Leopoldo López voltou, nesta terça-feira (30), a participar de uma manifestação contra o governo do presidente Nicolás Maduro. Condenado a 13 anos e nove meses de prisão domiciliar em setembro de 2015, López foi liberado por militares, graças a um indulto presidencial concedido pelo presidente da Assembleia Nacional e autodeclarado presidente interino, o deputado venezuelano Juan Guaidó.
No Twitter, López se referiu ao anúncio feito por Guaidó - que afirma ter obtido o apoio de oficiais das Forças Armadas para tirar Maduro do poder e conclamou a população a sair às ruas como o "início da fase definitiva para o fim da usurpação" do poder pelo grupo chavista de Maduro. "É a hora de conquistar a liberdade. Vamos todos nos mobilizarmos", disse López.
Formado em Economia nos Estados Unidos, López foi condenado pela acusação de "incitamento à desordem pública, associação criminosa, atentados à propriedade e incêndio".
As acusações estão relacionadas a acontecimentos violentos registrados ao fim das manifestações contrárias ao governo de Nicolás Maduro, no dia 12 de fevereiro de 2014. Três pessoas morreram durante estes protestos.
A partir da divulgação do anúncio de Guaidó pelas redes sociais, milhares de venezuelanos contrários e favoráveis a Maduro tomaram as ruas da capital, Caracas, e de outras cidades venezuelanas.
Guaidó batizou a ação como Operação Liberdade. Segundo sites de notícias venezuelanos, há relatos de confrontos entre manifestantes e forças de segurança - até o momento, sem informação de feridos.
Segundo o ministro da Defesa Vladimir Padrino, os quartéis venezuelanos seguem funcionando normalmente e as Forças Armadas se mantêm "firmes na defesa da Constituição".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia