Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de março de 2019.
Dia contra a Discriminação Racial.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

21/03/2019 - 21h37min. Alterada em 21/03 às 21h37min

UE diz que todas as opções continuarão abertas em relação ao Brexit

Estadão Conteúdo
O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou na noite desta quinta-feira que todas as opções continuam abertas em relação ao processo de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), citando a possibilidade de um divórcio com acordo, um Brexit sem acordo e a revogação do Artigo 50 evocada pelos britânicos. Em uma rápida coletiva de imprensa dada ao lado do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Tusk disse, ainda, que se reuniu com a primeira-ministra britânica, Theresa May, por diversas vezes durante a noite para que os dois pudessem discutir o adiamento do Brexit.
Juncker, por sua vez, afirmou que está confiante de que um acordo possa ser aprovado na Câmara dos Comuns britânica. Caso isso aconteça, o Brexit ocorreria, somente, em 22 de maio. De acordo com Juncker, porém, "não há mais nada que possamos dar" aos britânicos além das concessões feitas hoje, apesar de tanto ele quanto Tusk terem destacado que a atmosfera das negociações do Brexit foi melhor do que o esperado.
A rápida coletiva de imprensa foi encerrada por Tusk de forma irônica após somente quatro perguntas de jornalistas. Um repórter relembrou que a autoridade europeia disse, uma vez, que há um lugar especial no inferno para os que promoveram um Brexit sem um acordo e questionou se o inferno deveria ser ampliado para incluir os parlamentares britânicos. "De acordo com o nosso papa, o inferno está vazio. Por isso, há muito espaço nele para ser preenchido", respondeu Tusk, encerrando a entrevista coletiva.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia