Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Tragédia

Edição impressa de 11/03/2019. Alterada em 10/03 às 01h00min

Acidente de avião na Etiópia mata 157 pessoas

Aeronave caiu na cidade de Bishoftu, sede da maior base da Força Aérea do país

Aeronave caiu na cidade de Bishoftu, sede da maior base da Força Aérea do país


MICHAEL TEWELDE/AFP/JC

Um avião Boeing 737 da Ethiopian Airlines que voava para Nairobi caiu ontem com 157 pessoas a bordo - 149 passageiros e oito tripulantes -, informou a companhia aérea. De acordo com a TV estatal da Etiópia, não há sobreviventes.

O voo ET 302 sofreu a queda perto da cidade de Bishoftu, 40 quilômetros a Sudeste da capital da Etiópia, Adis Abeba, e sede da maior base da Força Aérea do país. O avião deixou o aeroporto de Bole às 8h38min (horário local), antes de perder contato com a torre de controle poucos minutos depois, às 8h44min. O piloto relatou dificuldades pouco antes da queda e pediu permissão para retornar, segundo o executivo-chefe da Ethiopian Airlines, Tewolde Gebremariam, mas a causa do acidente ainda é um mistério. Em entrevista coletiva, ele disse que a empresa não tinha conhecimento de nenhum problema mecânico no Boeing 737-800, adquirido há apenas quatro meses.

Além de nove etíopes, cidadãos de 33 nacionalidades estavam na viagem, entre os quais 32 quenianos, 18 canadenses, oito italianos, oito chineses, oito norte-americanos, sete franceses, seis egípcios, cinco holandeses, quatro indianos, quatro eslovacos, três austríacos, três suecos, três russos, dois marroquinos, dois espanhóis, dois poloneses e dois israelenses. Também viajava um cidadão de cada um dos seguintes países: Bélgica, Indonésia, Somália, Noruega, Sérvia, Togo, Moçambique, Ruanda, Sudão, Uganda e Iêmen. Quatro passageiros com passaportes emitidos pelas Nações Unidas ainda não tiveram as nacionalidades reveladas, mas, segundo o Itamaraty, não havia brasileiros a bordo.

A estatal Ethiopian Airlines é uma das maiores companhias aéreas da África. No ano passado, transportou mais de 10 milhões de passageiros. O último acidente com a companhia havia acontecido em janeiro de 2010, quando um voo que havia partido de Beirute, capital do Líbano, caiu pouco após a decolagem. O desastre matou as 90 pessoas a bordo.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia