Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

França

- Publicada em 23h59min, 19/02/2019.

Túmulos de cemitério judaico são vandalizados com suásticas

Número de atos antissemitas subiu 74% no país em 2018

Número de atos antissemitas subiu 74% no país em 2018


/FREDERICK FLORIN/AFP/JC
Na manhã de ontem, 96 túmulos de um cemitério judaico na comuna de Quatzenheim, no Leste da França, foram encontrados profanados, segundo informou a prefeitura de Bas Rhin, que condenou a ação como "ato antissemita odioso".
Na manhã de ontem, 96 túmulos de um cemitério judaico na comuna de Quatzenheim, no Leste da França, foram encontrados profanados, segundo informou a prefeitura de Bas Rhin, que condenou a ação como "ato antissemita odioso".
Os atos de vandalismo ocorreram no mesmo dia em que milhares de pessoas em Paris, Lille, Toulouse, Marselha e em outras cidades francesas foram às ruas para protestar contra o antissemitismo. Os ex-presidentes François Hollande e Nicolas Sarkozy se uniram aos manifestantes que carregavam cartazes com as palavras "Chega!" e "Não mexa com meu amigo!"
O Ministério Público abriu uma investigação para tentar localizar os autores das profanações. Os túmulos foram pintados com suásticas nazistas azuis e amarelas. Em um túmulo estava escrito "Esassisches Schwarzen Wolfe" ("os lobos alsacianos negros"), uma possível referência a um grupo autonomista alsaciano ativo nos anos 1970.
O prefeito de Bas-Rhin, Jean-Luc Marx condenou "com a máxima firmeza este odioso ato antissemita e expressou seu total apoio à comunidade judaica, que foi atacada mais uma vez". O presidente Emmanuel Macron esteve no cemitério após os atos.
O ministro israelense da Imigração, Yoav Gallant, afirmou ontem que os judeus devem emigrar para seu país devido aos atos. "Condeno vigorosamente o antissemitismo na França e digo aos judeus, voltem para casa, imigrem para Israel", escreveu em rede social.
Segundo o Ministério do Interior, o número de atos antissemitas subiu 74% na França em 2018. No total, houve 541 atos antissemitas no país no ano passado, em comparação com 311 em 2017.
 

Homem esfaqueia quatro pessoas em Marselha e é morto pela polícia

Um homem de 36 anos feriu ontem com uma faca quatro pessoas em Canebière, em Marselha, no Sul da França. Duas vítimas foram atacadas em um bonde e outras duas estavam a pé. Uma delas está gravemente ferida.

O ataque, na principal avenida da cidade, ocorreu por volta de 12h45min (horário de Brasília). Quando a polícia chegou, o homem reagiu e sacou uma arma. Os agentes de segurança revidaram, e o atingiram. Ele morreu pouco depois. Segundo as autoridades, o ataque não parece ter relação com um atentado terrorista.

A França tem um histórico recente de atentados. Em janeiro de 2015, os irmãos Saïd e Chérif Kouachi invadiram a redação do jornal Charlie Hebdo, em Paris, e mataram 12 pessoas. No dia seguinte, um comparsa deles matou uma policial, na véspera de adentrar um mercado kosher, fazer reféns e matar outras quatro pessoas.

Alguns meses depois, em 13 de novembro, uma sequência de ataques na periferia e em bairros boêmios de Paris deixou 130 mortos. Em 2016, nas comemorações do 14 de julho, em Nice, um homem no volante de um caminhão invadiu uma via e fez 86 vítimas.

Por causa dos episódios de 2015, o governo decretou estado de emergência no país, medida que foi estendida diversas vezes e perdurou até outubro de 2017.

Comentários CORRIGIR TEXTO