Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 05 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

05/01/2019 - 14h51min. Alterada em 05/01 às 15h29min

Trump volta a defender muro na fronteira com México em 14º dia de paralisação

'Estamos trabalhando duro na fronteira, mas precisamos de um MURO!', escreveu Trump

'Estamos trabalhando duro na fronteira, mas precisamos de um MURO!', escreveu Trump


NICHOLAS KAMM / AFP/JC
Estadão Conteúdo
Com a paralisação parcial da máquina pública americana chegando ao 14º dia, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a defender a construção de um muro na fronteira com o México. O tema é o principal motivo de discórdia entre democratas e republicanos quanto ao orçamento do governo e provocou o chamado 'shutdown' desde o dia 22 de dezembro do ano passado.
"Estamos trabalhando duro na fronteira, mas precisamos de um MURO! Em 2018, 7 mil toneladas de narcóticos foram apreendidas, 17 mil pessoas presas e 6 mil membros de gangues, incluindo o MS-13, detidos. Um grande problema de tráfico humano", escreveu Trump em sua conta no Twitter.
Desde muito antes da votação do orçamento no Congresso, o presidente americano vem fazendo pressão pela inclusão de uma verba bilionária para a construção do muro, promessa de sua campanha eleitoral em 2016. Ele exige que sejam alocados US$ 5,6 bilhões para a obra.
Os democratas, no entanto, não acreditam na eficácia de um muro no combate ao tráfico e à imigração ilegal e se recusam a incluí-lo no orçamento. Diante desse impasse, o governo americano está parcialmente fechado há duas semanas, afetando nove dos 15 departamentos de nível de gabinete e dezenas de agências, incluindo os departamentos de Segurança Nacional, Transporte, Interior, Agricultura, Estado e Justiça.
Nesta semana, os democratas assumiram o comando da Câmara dos Representantes, com Nancy Pelosi eleita presidente da Casa, o que pode gerar ainda mais resistência às medidas do presidente republicano. Ontem, após reunião com líderes do Congresso, Trump disse que pode manter o governo paralisado por "meses ou até por um ano".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia