Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 23/12 às 09h14min

Sem acordo no Senado, governo dos EUA enfrenta paralisação parcial

Presidente Donald Trump disse esperar que a paralisação parcial não dure muito

Presidente Donald Trump disse esperar que a paralisação parcial não dure muito


SAUL LOEB/AFP/JC
Agência Brasil
O governo dos Estados Unidos iniciou à meia-noite de hoje (22) - 3h em Brasília - uma paralisação parcial depois que o Senado norte-americano não chegou a um acordo que atendesse a exigências do presidente Donald Trump relacionadas à construção de um muro na fronteira com o México.
A situação deve afetar diversas agências, além dos departamentos de Segurança Interna, Transporte, Interior, Agricultura, Estado e Justiça. A estimativa é que, em razão da falta de finaciamento, cerca de 800 mil funcionários federais fiquem sem pagamento.
A decisão pela paralisação surgiu depois que Trump não conseguiu chegar a um acordo no Congresso sobre o financiamento que inclui verbas para a fronteira dos Estados Unidos com o México, peça central da campanha presidencial de 2016, mas que foi firmemente combatida pelos democratas.
Na noite de sexta-feira (21), Trump disse esperar que a paralisação parcial não dure muito. "Vamos ter um fechamento, não há nada que possamos fazer sobre isso, porque precisamos que os democratas nos deem seus votos", disse o presidente norte-americano em vídeo divulgado em sua página na rede social Twitter. Com informações da agência de notícias Xinhua.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia