Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Europa

Edição impressa de 16/10/2018. Alterada em 16/10 às 01h00min

UE e Reino Unido preveem acordo sobre Brexit em breve

Ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE) e do Reino Unido declararam ontem, em tom cauteloso, que os britânicos deverão fechar em breve um acordo para se retirarem do bloco, dentro do processo conhecido como Brexit, mas praticamente descartaram que um acerto seja alcançado na reunião de cúpula da UE marcada para esta semana.

Conversas foram interrompidas ontem, depois que os dois lados falharam em superar divergências relacionadas principalmente a como manter o fluxo de bens entre a Irlanda, que pertence à União Europeia, e a Irlanda do Norte, que faz parte do Reino Unido, depois que os britânicos deixarem o bloco.

O Reino Unido deverá sair da UE oficialmente em 29 de março do próximo ano, mas é necessário que um acordo seja fechado nas próximas semanas para que os parlamentos europeu e britânico tenham tempo hábil de ratificá-lo. Não há novas discussões previstas sobre o Brexit antes que os líderes da UE se reúnam para uma cúpula em Bruxelas, a partir de amanhã.

"Há uma ou duas questões pendentes muito difíceis, mas acho que conseguiremos chegar lá", afirmou o ministro de Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt. Já o ministro irlandês de Relações Exteriores da Irlanda, Simon Coveney, admitiu estar "frustrado" com o atraso, ressaltando que, além do Reino Unido, a Irlanda é o país que mais tem a perder com o Brexit.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia