Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de outubro de 2018.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Tragédia

Edição impressa de 09/10/2018. Alterada em 09/10 às 01h00min

Número de mortes por terremoto na Indonésia ultrapassa 1,9 mil

Palu é a cidade onde foi registrada o maior número de vítimas

Palu é a cidade onde foi registrada o maior número de vítimas


MOHD RASFAN/AFP/JC

O número de mortes causadas por um terremoto seguido de um tsunami na ilha de Sulawesi, na Indonésia, chegou a 1.948 ontem. Segundo autoridades locais, o número de mortes pode aumentar muito, uma vez que milhares de habitantes ainda são dados como desaparecidos. As equipes de resgate planejam finalizar seu trabalho no fim desta semana.

O chefe do Conselho Nacional de Gestão de Desastres, Willem Rampangilei, disse que pode haver até 5 mil vítimas enterradas sob a lama em Balaroa e Petobo, dois dos bairros mais afetados em Palu, cidade onde foi registrada o maior número de vítimas. Enquanto isso, autoridades religiosas e parentes dos sobreviventes discutem quais áreas podem ser transformadas em valas comuns, com monumentos em homenagem às vítimas.

O terremoto do dia 28 de setembro gerou a liquefação do solo, normalmente úmido e solto. Por conta disso, a lama que soterrou as vítimas é muito macia para permitir o uso de equipamentos pesados no resgate, e a decomposição dos corpos já está avançada. "É impossível reconstruir em áreas com alto risco de liquefação, como Petobo e Balaroa", disse Rampangilei, acrescentando que algumas vilas serão remanejadas.

Segundo Rampangilei, a vida começa a voltar ao normal em algumas áreas afetadas pelo desastre. As necessidades imediatas de alimentos e água foram atendidas, e o governo local começou a funcionar novamente. Ele afirmou que as aulas serão retomadas assim que possível. No entanto, muitas escolas foram completamente destruídas, e os alunos ainda têm medo de retornar.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia