Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de agosto de 2018.
Dia Nacional do Combate ao Fumo.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Violência

Edição impressa de 29/08/2018. Alterada em 29/08 às 01h00min

ONU define matança de rohingyas em Mianmar como genocídio

Grandes acampamentos em Bangladesh recebem os refugiados

Grandes acampamentos em Bangladesh recebem os refugiados


DIBYANGSHU SARKAR/AFP/JC
Folhapress
Pela primeira vez, a Organização das Nações Unidas (ONU) usou a palavra genocídio para descrever a matança de rohingyas - minoria muçulmana - em Mianmar e recomendou que seis militares do país, inclusive o comandante das Forças Armadas, sejam processados por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.
"Há informações suficientes para subsidiar o indiciamento dos oficiais da Tatmadaw (força militar birmanesa) para que um tribunal competente possa determinar a responsabilidade", diz o relatório.
O mesmo documento afirma que a líder de fato do país, Aung San Suu Kyi, foi omissa em relação à violência e critica o Facebook por servir de "instrumento útil para aqueles que querem propagar o ódio". A missão da ONU considera "prudente" a estimativa anunciada pela ONG Médicos Sem Fronteiras de que 10 mil rohingyas morreram durante a perseguição dos militares.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia