Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

imigração

23/08/2018 - 21h22min. Alterada em 23/08 às 21h22min

Possibilidade de aliciamento de venezuelanos por facções preocupa, diz Jungmann

Estadão Conteúdo
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta quinta-feira (23), em visita a Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, que a possibilidade de aliciamento de migrantes pelas grandes facções criminosas é uma preocupação do governo federal.
"Infelizmente, esse processo de aliciamento das grandes facções não acontece só aqui em Roraima, mas, evidentemente, estamos preocupados com isso, daí o reforço que estamos fazendo no caso da Polícia Federal e também da Força Nacional. É a resposta que damos a essa situação", disse.
Segundo Jungmann, mais 60 homens da Força Nacional estão a caminho do Estado. Houve a solicitação do governo do Estado de Roraima para que a Força Nacional realizasse o policiamento ostensivo em Pacaraima. "Não tínhamos recebido até então nenhuma solicitação de patrulhamento ostensivo."
Para o ministro, é preciso acelerar a interiorização dos migrantes, com a transferência para outros Estados. "Precisamos melhorar, dar mais agilidade e cooperação. A interiorização implica na mobilização dos Estados. A tarefa de ordenamento e abrigamento está sendo feita", disse Jungmann.
"O governo federal não tem como impor para um Estado que ele assuma um determinado grupo de migrantes. É uma negociação. Muitas vezes falta trabalho, onde colocar, onde ter a possibilidade de acolhida. Não é simplesmente despejar as pessoas daqui em São Paulo, Rio, Recife ou Belo Horizonte. Elas têm de ter algum tipo de colocação porque, se não, vamos deslocar um problema daqui a outro lugar."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia