Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Edição impressa de 21/08/2018. Alterada em 21/08 às 01h00min

Europa registra 41 mil casos de sarampo; OMS já fala em endemia

Estadão Conteúdo
Mais de 41 mil crianças e adultos na Europa foram infectados pelo sarampo apenas nos primeiros seis meses de 2018. Os dados foram apresentados ontem, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), alertando para o fato de que a nova taxa bate recordes no atual século e já supera todos os casos registrados anualmente na última década. Em 2017, o número de casos de sarampo atingiu 23 mil e, em 2016, apenas 5,2 mil.
Conforme a entidade, 37 pessoas já morreram na Europa neste ano, 14 delas na Sérvia. Agora, a OMS alerta para a proliferação da doença. Sete países - entre eles Itália, França e Grécia - chegaram a registrar mais de mil casos. Mas o salto de infectados ocorreu, principalmente, por conta da Ucrânia. Nos seis primeiros meses do ano, a doença atingiu 23 mil pessoas. Vivendo ainda um conflito armado no Leste e em crise, o país registrou uma queda em suas campanhas de vacinação.
Em locais que conseguiram acabar com o surto nos últimos anos, a prevalência da doença e sua transmissão por mais de 12 meses voltou a estabelecer o sarampo como "endêmico". O combate ao vírus é considerado pela OMS como uma das prioridades para a próxima década. "Para evitar surtos, a cobertura de imunização precisa atingir 95% das pessoas, com duas doses por ano", estima a agência. 
O problema é que certas regiões da Europa continuam com uma cobertura abaixo de 70%. "Podemos frear essa doença. Mas não conseguiremos enquanto todos não fizerem suas partes", disse Zsuzsanna Jakab, diretora regional da OMS para a Europa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia