Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 30/07 às 20h33min

Parceria com EUA para estabilizar Líbia não engloba petróleo, diz premiê da Itália

Giuseppe Conte diz que plano não toca em segurança energética do país

Giuseppe Conte diz que plano não toca em segurança energética do país


VINCENZO PINTO/AFP/JC
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou nesta segunda-feira (30) que a parceria do seu país com os Estados Unidos pela "estabilização" na Líbia e pela segurança no Mar Mediterrâneo, anunciada em coletiva conjunta com o presidente Donald Trump na Casa Branca, não engloba qualquer ação relativa à segurança energética na nação africana nem tampouco à sua produção de petróleo.
"Trump e eu discutimos energia e petróleo, apenas a questão da segurança com relação à relevância da Líbia como polo migratório pelo Mar Mediterrâneo", respondeu o italiano, quando questionado sobre a abrangência da parceria. "Devemos capacitar a Líbia a uma eleição democrática e ao devido processo constitucional, mas precisamos respeitar o povo líbio", acrescentou.
Ao lado de Conte, cujo governo se formou, dentre outros fatores, pela retórica anti-imigração da Liga, Trump se viu no palco perfeito para reforçar o costumeiro discurso pelo endurecimento das leis americanas. "Nações fortes têm de ter fronteiras fortes", pregou o americano, pouco antes de repetir que estaria disposto a se recusar a assinar uma proposta orçamentária do Congresso para 2019 que não contenha o financiamento para o muro na divisa com o México e, assim, provocar a paralisação do governo a partir de outubro.
O premiê italiano não deixou a ocasião por menos ao declarar que a União Europeia tem a "responsabilidade" de não "sobrecarregar" os chamados países "de chegada", situados nas fronteiras externas do bloco, onde imigrantes vindo da África aportam em solo europeu. "Nossa política de imigração garante que os direitos fundamentais sejam respeitados", argumentou Conte, buscando uma roupagem mais palatável para o discurso de "primeiro os italianos" do vice-premiê e ministro do Interior Matteo Salvini.
Conte se permitiu ainda afirmar que a Itália está se tornando "um ponto de referência para os Estados Unidos na Europa". "O governo americano reconhece a nossa liderança na estabilização da Líbia", exemplificou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia