Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Igreja católica

Edição impressa de 30/07/2018. Alterada em 30/07 às 01h00min

Papa aceita renúncia de cardeal acusado de abusos sexuais

O Papa Francisco aceitou a renúncia do cardeal norte-americano Theodore McCarrick, de 87 anos, acusado de abuso sexual nos Estados Unidos. O anúncio foi feito pela Santa Sé no sábado.
"O Papa Francisco aceita a renúncia do Colégio Cardinalício e ordenou sua suspensão de qualquer ministério público, com a obrigação de permanecer em uma casa, em uma vida de oração e penitência, até que as alegações contra ele sejam examinadas em um julgamento canônico regular", acrescenta o texto.
McCarrick, um padre que foi promovido a bispo e arcebispo da Arquidiocese de Nova Iorque antes de se mudar para Washington em 2001, é um dos cardeais norte-americanos mais conhecidos internacionalmente. Embora esteja oficialmente aposentado, continuou a viajar, especialmente para defender questões de direitos humanos. Ele foi particularmente ativo na defesa das medidas tomadas contra os padres pedófilos nos Estados Unidos.
Em um comunicado publicado em 20 de junho, o cardeal Timothy Dolan, de Nova Iorque, explicou que sua diocese havia recebido denúncias de supostos abusos de McCarrick que datavam de, ao menos, 45 anos - incluindo uma envolvendo um menino de 11 anos.
De acordo com a Carta de Proteção à Criança, adotada em 2002 pelos bispos dos Estados Unidos, após o escândalo de pedofilia que abalou a diocese de Boston, "uma agência independente" conduziu uma investigação cujos resultados foram transmitidos a um comitê considerado honesto. "Embora ele mantenha sua inocência, aceita essa decisão", disse o cardeal Dolan, observando que o Vaticano pediu ao arcebispo emérito de Washington que não "exercesse publicamente seu ministério".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia