Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de julho de 2018.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 16/07 às 13h33min

EUA vai à OMC contra UE, China, Canadá, México e Turquia por retaliação

Representante do comércio americano diz que tarifas dos EUA são "justificáveis", mas retaliações são "sem justificativa"

Representante do comércio americano diz que tarifas dos EUA são "justificáveis", mas retaliações são "sem justificativa"


KAREN BLEIER/AFP/JC
Os Estados Unidos entraram nesta segunda-feira (16) na Organização Mundial de Comércio (OMC) com queixas separadas contra China, União Europeia, Canadá, México e Turquia. O país questiona as tarifas impostas em retaliação à decisão do governo do presidente Donald Trump de impor tarifas à importação de aço e alumínio. O argumento usado pelos americanos para essas tarifas foi a proteção dos interesses à segurança nacional.
O Escritório do Representante de Comércio dos EUA argumenta que as tarifas dos EUA ao aço e ao alumínio são "justificadas no âmbito dos acordos internacionais", porém as retaliações "são completamente sem justificativa" sob essas regras.
O representante de Comércio americano, Robert Lighthizer, critica no comunicado a decisão dos parceiros, dizendo que ela prejudica fazendeiros, empresas e trabalhadores americanos. "Os Estados Unidos adotarão todas as medidas necessárias para proteger nossos interesses e pedimos a nossos parceiros comerciais que trabalhem de modo construtivo conosco sobre os problemas criados pelo excesso de capacidade massivo e persistente nos setores de aço e alumínio", afirma a autoridade.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia